Veja passo a passo de como guardar dinheiro para momentos de crise

Preparar-se para esses momentos é essencial para manter a saúde financeira, porque de tempos em tempos há novas tensões econômicas

De tempos em tempos haverá uma nova crise econômica

De tempos em tempos haverá uma nova crise econômica

Reprodução


Você pode pensar que é pessimismo, mas se existe uma certeza do ponto de vista econômico é de que o Brasil viverá uma próxima crise após o coronavírus. É difícil prever quando, mas o fato é que de tempos em tempos a economia passa por períodos de estresse.

Leia também: Confira como organizar as despesas de casa durante a quarentena

Por esse motivo, saber como guardar dinheiro para essas situações – fazendo a conhecida reserva de emergência – é essencial para não ser pego novamente de surpresa.

“Somos um país em desenvolvimento e por isso temos que pensar sempre em guardar dinheiro”, diz André Fernandes, head de produtos da Ágora Investimentos.

Leia também: Fugindo das dívidas: jovens mostram como investir seu dinheiro

De fato, apenas na história recente, o Brasil coleciona uma sequência de momentos delicados. O primeiro em 2002, quando o mercado reagiu negativamente à vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seguido pela bolha imobiliária de 2008  que derreteu a economia mundial e, mais recente, a crise econômica que vigorou com força entre 2014 e 2017, ainda no governo de Dilma Rousseff.

De acordo com Fernandes, mesmo quem ganha pouco pode e deve guardar dinheiro. O especialista explicou como fazer reserva de emergência pela técnica “LÁPIS”. Entenda:

L: Longo prazo


Separar uma parte do salário assim que entrar na conta deve ser um exercício contínuo. A reserva de emergência deve ser pensada como uma estratégia de longo prazo. É o momento de planejar sobre o que se espera daquele dinheiro pelo prazo mínimo de 10 anos.

A: Analisar alternativas de investimento


Não dá para guardar o dinheiro embaixo do colchão. Deixar na conta corrente também não vai fazê-lo render e você ainda corre o risco de acabar mexendo na sua reserva para despesas não-essenciais. A saída, portanto, é fazer uma análise das melhores opções para aplicar suas economias. Prefere investir em ações? Colocar na poupança? Adquirir CDBs? Reflita sobre o seu perfil de risco e decida o que mais se encaixa com as suas necessidades, lembrando que as aplicações devem ter alta liquidez.

P: Planejar como guardar o dinheiro


Estabeleça uma meta de quanto guardar. Os planejadores financeiros recomendam separar entre 20% a 30% do salário. Isso significa, por exemplo, que quem ganha R$1.500 por mês, deve separar algo entre R$ 300 e R$ 450 por mês.

I: Investir


Depois de ter feito todo o planejamento, analisado as opções de investimentos e entendido seu objetivo de longo prazo, é hora de colocar em prática e investir. Nessa fase é importante acompanhar o desempenho dos investimentos para fazer eventuais mudanças de estratégia ao longo do caminho.

S: Segurança


Sua reserva de emergência tem que estar alinhada com o seu planejamento. Isso significa que um caixa emergência razoável cobre pelo menos três meses das suas despesas necessárias. Já uma boa reserva, seria suficiente para cobrir nove meses desses gastos essenciais. Por isso, para saber se você realmente tem um montante que te dá segurança, calcule o valor das suas despesas necessárias no mês e compare com o volume de dinheiro guardado.