Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

Segundo especialistas, a falta de controle das emoções e de estabelecer metas para o seu futuro são os principais fatores para o descontrole financeiro

Faça as contas, analise seu comportamento e crie metas, orientam especialistas

Faça as contas, analise seu comportamento e crie metas, orientam especialistas

Pixabay

A falta de um planejamento financeiro faz com que muitas pessoas não tenham controle sobre seus gastos, comprem por impulso e usem o cheque especial como complemento da sua renda mensal.

Leia mais: Quer cortar gastos? Listamos 10 dicas para ajudar a sair do vermelho

Essa "autossabotagem" com o próprio dinheiro, segundo especialistas em finanças pessoais, é um dos principais motivos que impede muitos brasileiros de poupar e administrar o seu orçamento de forma consciente. 

Leia mais: Aposentado deve priorizar gastos com saúde ao receber 13º do INSS

A educação financeira não faz parte da cultura do brasileiro, lamenta o educador financeiro Weldes Campos.

"Deveríamos aprender desde pequenos a consumir de forma consciente, a planejar os sonhos e conquistar a independência financeira para garantirmos uma boa aposentadoria na velhice."
Weldes Campos

Como funciona a autossabotagem?

A autossabotagem das finanças consiste em "não controlar gastos, não valorizar os pequenos gastos, comprar por impulso, entrar no cheque especial e viver um estilo de vida acima da sua realidade", diz Campos.

"A falta de controle das emoções é um dos principais fatores. Se você não tem poder sobre elas, não dominará seu dinheiro."
Weldes Campos

Mas como virar a chave e começar a cuidar do orçamento de forma diferente?

Leia mais: Sobrou mês no fim do salário? Veja 8 dicas para seu dinheiro render mais

Para a educadora financeira Teresa Tayra, uma forma de iniciar o planejamento das finanças é separar um percentual da renda mensal para investir logo que o dinheiro cai na conta. 

Leia também: Como gerar renda no isolamento social e manter as contas em dia?

Ao manter a rotina de separar um valor mensal para investir durante vários meses, se criará o hábito de guardar dinheiro, orienta Teresa.

"Muitos confundem atitudes do agora com a realização de desejos imediatistas. É importante ter a consciência de que o futuro é construído com atitudes do agora."
Teresa Tayra

Além de controlar as emoções para evitar gastos, também é importante traçar metas de curto, médio e longo prazo, comenta Campos. 

Leia mais: Aposentadoria: qual é a melhor aplicação para investir no futuro?

"Comprar por impulso é uma das formas mais comuns de autossabotagem. Mas a  falta de objetivos de vida também contribui para isso. Traçar metas de curto, médio e longo prazo ajudam a manter o controle", afirma o educador.

Como iniciar um planejamento financeiro?

Identificar o que o leva a gastar desenfreadamente e o impede de organizar o seu orçamento são as primeiras atitudes a se tomar para mudar a sua relação com o dinheiro, segundo a planejadora financeira Rejane Tamoto.

Leia também: Como investir os primeiros R$ 100 na Bolsa de Valores

Essa análise do seu comportamento, diz Rejane, o ajudará a perceber qual é o gatilho que o leva a tomar as decisões que acabam afetando negativamente o seu orçamento.

"Reflita sobre as suas atitudes, trace metas e anote tudo. Ao materializar seus objetivos e colocar tudo num papel, ele passará de sonho a um plano para concretizá-lo."
Rejane Tamoto

Teresa concorda com Rejane e acrescenta: "defina seus desejos verdadeiros. Muitos querem os sonhos do vizinho, do personagem da TV. Identifique quais são seus reais desejos e o quanto isso lhe move e trace um plano de ação para conquistá-los".

*Estagiário do R7, sob a supervisão de Márcia Rodrigues