Novo Coronavírus

Economia Empresa brasileira cria sabonete que promete proteção contra covid

Empresa brasileira cria sabonete que promete proteção contra covid

Companhia afirma que ação do produto tem duração de seis horas e promete auxiliar no combate à doença, que já matou 79.488 pessoas no Brasil

  • Economia | Fabiano Bonfim e Flávio Moraes, da Record TV Brasília

Sabonete é feito a base de óleos essenciais

Sabonete é feito a base de óleos essenciais

Freepik

A startup brasileira Aya Tech lançou um sabonete líquido que promete proteger as pessoas contra a infecção de vírus e bactérias por até seis horas, inclusive o coronavírus. 

O Brasil acumula 79.488 mortes e 2.098.389 casos confirmados de covid-19, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde no domingo (19). 

Segundo a companhia, além do cornavírus, o sabonete também neutraliza os vírus da influenza, H1N1, herpes, HIV e adenovírus. 

O sabonete é feito a base de óleo essencial de menta e de melaleuca, além da clorexidina, um dos compostos dos sprays antissépticos vendidos em farmácias. 

A CEO da Aya Tech, Fernanda Checchinato, afirma que o sabonete pode ser uma importante ferramente no combate à covid-19. 

“Diferente do álcool 70% e de outros sabonetes antissépticos, que possuem ação apenas no momento da aplicação, o sabonete Gy protege contra infecção de bactérias e vírus por até seis horas. Ele tem efeito prolongado, e combinado com outras medidas como uso de máscara e distanciamento social, é uma ferramenta importante para conter o avanço da Covid19", afirma. 

A startup também desenvolveu um gel e um spray antisséptico sem álcool com os mesmos princípios ativos do sabonete. 

Segundo Fernanda, é a primeira linha de higienizantes antissépticos sem álcool do mundo. “A nossa ideia era lançar produtos para pessoas que têm a pele mais sensível, como os idosos, ou problemas com dermatite. Como o efeito protetivo do sabonete Gy dura até seis hora, ele previne a recontaminação por vírus e bactérias sem a necessidade de aplicar o produto inúmeras vezes”, disse.  

Últimas