Empresários usam a criatividade para driblar crise e continuar ativos

Com pandemia do coronavírus, empreendedores criam serviços para segurar contratos e conquistar novos clientes durante confinamento

Criança participa de recreação on-line com a empresária Nívea Sutter

Criança participa de recreação on-line com a empresária Nívea Sutter

Divulgação/Animatutti/1º-04/2020

A empresária Nívea Sutter, dona da Animatutti, que atua com recreação para festas e eventos, viu 30 contratos de trabalho serem cancelados após a epidemia do coronavírus.

"Alguns clientes pediram o dinheiro de volta e, por ser uma empresa pequena, quase quebrei", desabafa a empresária.

Leia mais: Sete microempresárias falam sobre o efeito coronavírus nos negócios

Empreendedora nata, Nívea decidiu inovar e criar sessões on-line de recreação infantil.

O chamariz do negócio foi o slogan: "Preço? Quanto puder oferecer nesse momento. Vamos nos ajudar!"
Nívea: gastar energia das crianças

Nívea: gastar energia das crianças

Divulgação/Animatutti/1º-04/2020

A atração virou um sucesso e Nívea vem mantendo a agenda da semana lotada. As sessões duram de 30 minutos, para crianças  com até 4 anos, a 40 minutos, para crianças acima de 5 anos. A média paga por cliente é de R$ 20 a R$ 60 por sessão.

Em uma única vídeoconferência, é possível unir várias crianças em locais diferentes para participar. "Uma família pode reunir primos e amigos e todos participarem das brincadeiras."

As sessões são feitas pela plataforma zoom e podem ser acessadas via computador, tablet ou celular. "Durante as atividades, eu crio desafios e promovo diversas brincadeiras com as crianças. É uma forma de transformar esse caos em boas lembranças e gastar a energia da criançada."

Pequenos investem em canais de relacionamento

Bruno Shibata, gerente de gestão estratégica do Sebrae-SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), afirma que a maioria dos micros e pequenos empresários está adaptando o negócio para manter suas atividades durante a crise.

"Eles estão investindo mais em canais de relacionamento com o cliente, principalmente nas redes sociais Whatsapp, Telegram, Facebook e Instagram, para conseguirem estar presente, mesmo a distância", diz Shibata.

Leia mais: Coronavírus: shoppings manterão emprego e salário na quarentena?

O gerente cita como exemplo o caso de uma ótica.

"Ela começou a aceitar o envio de receitas pelo WhatsApp ou e-mail. Assim, o cliente pode fazer o pedido dos seus óculos normalmente. A empresa também destaca que o produto é entregue totalmente higienizado. Ou seja, ela conseguiu manter sua atividade com uma mudança bem simples."

Treinos on-line para corredoras praticarem em casa

Spikes: treino para clientes fazerem dentro de casa

Spikes: treino para clientes fazerem dentro de casa

Divulgação Authen/1º-04-2020

Christopher Spikes, CEO da Authen, marca de roupas de corrida para mulheres, criou uma série de conteúdos educativos, como guias e aulas on-line, para manter suas clientes ativas durante a quarentena, já que elas não podem praticar o seu esporte preferido neste período: a corrida.

"Já tínhamos a plataforma para auxiliar os treinos de corrida de rua, que é o foco das nossas clientes. Adaptamos todo o conteúdo e apresentamos treinos para elas realizarem dentro de casa por conta do confinamento."

Leia mais: Coronavírus: aluguel de notebook dispara para uso em home office

Spikes destaca que o resultando vem sendo bastante positivo. As vendas on-line cresceram 100% em março em relação ao mesmo mês no ano passado. A iniciativa também está aproximando as clientes com a marca, segundo ele.

O empresário afirma que a pandemia do coronavírus, porém, vem afetando as vendas no varejo. "A Authen fornece roupas também para lojas esportivas e essas vendas estão paralisadas. Ainda bem que a comércio on-line está compensando essas perdas."

Webinar mantém fluxo de treinamentos

O empresário Daniel Sanches, CEO da Qualylife, precisou mudar de forma rápida e radical a execução dos treinamentos que oferece para grandes companhias e, assim, manter a maioria dos seus contratos. Ele transformou os cursos presenciais em webinar.

Sanches: empresas precisam flexibilizar contratos

Sanches: empresas precisam flexibilizar contratos

Gisele Bonaroski/Divulgação Qualylife/1º-04/2020

"Já usávamos o webinar como complemento aos cursos que administramos para mantermos contato com os participantes e distribuirmos tarefas para a equipe. Com a crise, a plataforma virou nossa principal ferramenta e estratégia didática."

Leia mais: Pacote emergencial do governo para crise da covid-19 terá R$ 200 bi

Sanches diz que optou pelo webinar por ter semelhança com os treinamentos presenciais ao vivo. "Tem chat, vídeo e áudio e permite que os alunos façam perguntas e participem das aulas."

O empresário ressalta que o momento exige empatia e as empresas precisam estar dispostas a permitir a flexibilização nos seus contratos para manter a atividade econômica.

Muitos clientes, segundo ele, aceitaram as adaptações por entenderem que o momento não permitia mantermos os treinamentos.

"Alguns clientes não aceitaram as mudanças e foram até intolerantes."
Daniel Sanches

Leia mais: Mais de 30% das empresas já sentem impacto do coronavírus

Para Sanches, as empresas precisam estar abertas e discutir alternativas para a execução dos contratos com seus fornecedores e não quebrar toda a cadeia. Flexibilizar contratos, negociar prazos, permitir a execução do trabalho no futuro são algumas formas de manter as empresas funcionando."

Momento exige estratégia e criatividade

Dados divulgados pelo Sebrae-SP apontam que 98% das empresas do Brasil estão classificadas na categoria de micro e pequenos empreendimentos. Juntas, elas são responsáveis por 55% dos empregos do país.  Em 2019, as micro e pequenas empresas foram as que mais geraram novas vagas de empregos.

Para Shibata, ainda é cedo para falar sobre o real impacto que o coronavírus trará aos pequenos negócios.

Leia mais: Seis dicas simples para se manter longe do novo coronavírus

"O objetivo do governo e das entidades de fomento ao empreendedorismo, agora, é minimizar os danos."

As primeiras medidas que os micro e pequenos empreendedores devem tomar, segundo Shibata, são:

- Fazer uma avaliação cuidadosa sobre seus gastos;
- Reduzir todos os gastos que são possíveis;
- Eliminar o desperdício;
- Tentar negociar todos os prazos;
- Negociar os preços com seus fornecedores;
- Apesar dos incentivos do governo e bancos de reduzir os juros do microcrédito, só recorrer a isso se realmente precisar e tiver condições de pagar no futuro;
- Negociar férias coletivas, redução de jornada e salário dos funcionários, caso seja necessário;
- Fazer compras mais fracionadas e manter um estoque menor;
- Buscar alternativas para manter o negócio funcionando. Seu negócio permite atendimento online? Se sim, invista.
- No ambiente online, encontrar uma plataforma segura para vender e investir na divulgação nas redes sociais;
- Pode incluir o delivery na sua operação? Se sim, intensifique a oferta de entregar o produto ou serviço em casa; e
- Divulgue para a população a importância de comprar dos pequenos negócios;