Economia Entrada do Brasil na OCDE pode elevar PIB em R$ 38 bilhões por ano

Entrada do Brasil na OCDE pode elevar PIB em R$ 38 bilhões por ano

Projeção do Ipea aponta para aumento de 0,4% das riquezas por habitante caso o ingresso na organização seja concretizado

  • Economia | Do R7

PIB pode elevar PIB per capta em 0,4% todos os anos

PIB pode elevar PIB per capta em 0,4% todos os anos

Sebastião Moreira/EFE - 26.08.2020

A eventual confirmação da candidatura do Brasil à OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) deve impulsionar a atividade de comércio exterior e ocasionar em um crescimento econômico previsto de, aproximadamente, R$ 38,15 bilhões (US$ 7 bilhões) anuais em geração de bens e serviços.

O valor estimado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) corresponde a um crescimento de 0,4% do PIB per capita (por habitante) todos os anos. Entre os principais benefícios econômicos listados pelo estudo aparecem a possibilidade de contribuir para o aumento do superávit e ampliar a captação de novos investimentos externos no país.

Além disso, o processo pode impulsionar a participação de cadeias produtivas globais, bem como a realização de novos acordos de cooperação com organismos internacionais como a OMC (Organização Mundial do Comércio) e o FMI (Fundo Monetário Internacional).

Na avaliação de Pedro Silva Barros, pesquisador do Ipea e editor da Revista Tempo do Mundo, os estudos publicados contribuem para fortalecer o diálogo entre acadêmicos e executores de políticas públicas sobre a possível entrada do Brasil na OCDE. “Os dados, em conjunto com a pluralidade de abordagens presentes na publicação, ajudam a avaliar os potenciais benefícios, custos e desafios para o país, caso a entrada na OCDE venha de fato a ocorrer”, observou.

Atualmente, além do Brasil, Argentina, Bulgária, Croácia, Peru e Romênia também pleiteiam a acessão à OCDE. A entidade conta atualmente com 36 membros, e o aumento no número de candidaturas fez a OCDE buscar a definição de novos critérios para a aceitação de candidaturas. O Brasil apresentou formalmente sua candidatura em 2017 com o objetivo de implementar avanços na agenda de política econômica externa.

Últimas