Estrutura de preços do petróleo sinaliza recuperação no mercado

ENERGIA-PETROLEO-ESTRUTURA:Estrutura de preços do petróleo sinaliza recuperação no mercado

LONDRES (Reuters) - A estrutura de preços do petróleo, tanto para a referência internacional Brent quanto para o norte-americano WTI, causou uma queda nos níveis de armazenamento, sinalizando uma recuperação nos mercados globais e oferta mais apertada à medida que grandes produtores reduzem bombeamento para compensar a demanda perdida em função da pandemia de coronavírus.

Na quinta-feira, o Brent passou a operar em "backwardation", movimento em que o petróleo para entrega imediata tem custo superior à oferta para entregas mais adiante. O prêmio dos contratos futuros do Brent para agosto ante o contrato setembro chegou a atingir 0,15 dólar nesta sexta-feira.

Os swaps de curto prazo do Brent no mercado do Mar do Norte também entraram em "backwardation", o que sugere um mercado físico mais forte.

Isso encorajou uma redução nos estoques.

"Os estoques flutuantes, em particular na costa do Golfo dos Estados Unidos, já estão diminuindo, à medida que compradores optam por retirá-los dos navios-tanque em vez de realizar novas contratações", disse a analista sênior de petróleo da Rystad Energy, Paola Rodríguez Masiu.

Ela acrescentou que a prorrogação dos cortes de oferta praticados pela Opep+ ajudou o mercado a encontrar um equilíbrio após meses.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, que formam o grupo chamado de Opep+, têm reduzido bombeamento desde maio em um recorde de 9,7 milhões de barris por dia (bpd), ou 10% da oferta global.

A nova estrutura de preços do petróleo marca uma reviravolta em relação a períodos anteriores, quando a pandemia de coronavírus empurrou as cotações para a estrutura oposta --com preços para entrega imediata abaixo dos de contratos mais distantes, o que é conhecido como "contango".

Nesta sexta-feira, o "contango" de seis meses do Brent girava em torno de -0,25 dólar, menor nível desde o início de março --momento que antecedeu o colapso de um acordo anterior entre Opep e aliados liderados pela Rússia, algo que fez com que os preços atingissem mínimas recordes.

A queda na produção de petróleo dos EUA também ajudou na recuperação dos mercados-- a produção norte-americana caiu na semana passada para 10,5 milhões de barris por dia, o menor nível desde março de 2018, segundo a Agência de Informação de Energia (IEA).

(Reportagem de Bozorgmehr Sharafedin, Alex Lawler, Shadia Nasrallah e Ron Bousso)