Reforma da Previdência
Economia "Existem no máximo 260 votos a favor da Previdência", diz oposição

"Existem no máximo 260 votos a favor da Previdência", diz oposição

Reforma precisa ser apoiada por ao menos 308 parlamentares, em dois turnos, para seguir ao Senado Federal

reforma da previdência

Jandira: "No plenário, é diferente da comissão"

Jandira: "No plenário, é diferente da comissão"

Lucio Bernardo Junior/17.11.2015/Câmara dos Deputados

Líderes da oposição se reuniram nesta segunda-feira (8) para definir as estratégias que serão usadas na votação da reforma da Previdência no plenário da Câmara.

De acordo com o grupo formado por parlamentares de PT, Psol, PCdoB, PDT e PV, o governo tem apenas cerca de 260 votos favoráveis à matéria porque muitos deputados de partidos de centro estariam mudando de posição. O número inviabiliza a aprovação da reforma.

Leia mais: Maia diz que Previdência será vitória do Parlamento

"No plenário, a situação é diferente da comissão. E, na nossa avaliação, o Rodrigo Maia presidente da Câmara, apesar de estar contando vantagem, na nossa avaliação eles não têm mais do que 260 votos a favor da reforma", afirmou a líder da Minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição, são necessários 308 votos favoráveis — o equivalente a três quintos da Casa — para aprovar a reforma em dois turnos no plenário da Câmara. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), garante que hoje existem 330 votos a favor da matéria.

Ministros reassumem mandato de deputado para votar a reforma

Segundo Jandira, há dissidentes em todos os partidos de centro. Esse grupo já teria indicado à oposição que irá votar contrariamente ao texto que será analisado pelo plenário a partir desta terça-feira. A expectativa do governo e da cúpula da Câmara é conseguir concluir a votação até o fim desta semana, mas integrantes da oposição apostam que ela ficará para agosto.

"Estamos trabalhando por dentro dos partidos e das bancadas para garantir a não aprovação e ao mesmo tempo o alargamento desse cronograma. Estamos trabalhando a não aprovação e, ao mesmo tempo, o conteúdo da reforma", disse Jandira.

De acordo com o deputado José Guimarães (PT-CE), a oposição dá como certo o voto contrário à reforma de 150 deputados. "Nós largamos com 150 votos e precisamos de 206. Vai chegar uma hora que o que vai valer mesmo é a matemática dos dois lados. Estamos a passos largos para conseguir mais 50. Temos uma margem razoável para trabalhar, para chamar os dissidentes", disse.

Reforma será aprovada na Câmara até sexta, diz líder do governo

Para ele, a estimativa dos governistas de que há 330 votos a favor é para "criar pressão psicológica". "Eu conheço os votos do meu Estado. Se insistirem para votar nessa semana, será um tiro no pé", completou.

Guimarães disse ainda que a oposição manterá os nove destaques que foram apresentados na comissão especial durante a votação no plenário. Outros destaques, no entanto, podem ser acrescentados a este grupo. Segundo Jandira, se o PSD desistir de apresentar um pedido para abrandar as regras para policiais e agentes de segurança pública, a oposição poderá adotar o destaque e apresentá-lo.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) afirmou que a oposição não abrirá mão de votar o destaque que foi aprovado pela comissão especial que devolveu ao setor rural um benefício tributário que retira R$ 83,9 bilhões da economia esperada de R$ 1,071 trilhão. "O andar de baixo está pagando uma conta pesadíssima para pagar benefícios para o andar de cima. Esse destaque é uma questão de honra", disse.

O deputado professor Israel Pinheiro (PV-DF) disse também que deputados ligados à área de educação estão tentando construir um acordo para apresentar um destaque que beneficie os professores.