Economia Fed está prestes a trocar de marcha. Desta vez poderá ser diferente

Fed está prestes a trocar de marcha. Desta vez poderá ser diferente

MACRO-EUA-FED-DIFERENTE:Fed está prestes a trocar de marcha. Desta vez poderá ser diferente

Reuters - Economia

Por Ann Saphir

(Reuters) - As autoridades do Federal Reserve, cada vez mais confiantes de que a economia dos Estados Unidos está se recuperando rapidamente da recessão induzida pela pandemia, começaram a telegrafar uma saída da política monetária ultraflexível do banco central dos Estados Unidos e sinalizaram que será mais rápida do que quando apertaram as rédeas após a última crise.

Embora as autoridades ainda não tenham chegado a um acordo sobre um plano, a maioria espera que até o final de 2023 elas tenham aumentado a taxa de juros pelo menos duas vezes em relação ao atual nível quase zero, mostram as projeções publicadas na quarta-feira. Oito das 18 autoridades do Fed esperam pelo menos três aumentos nos juros até então.

E embora o Fed não tenha feito previsões sobre seu programa mensal de compra de títulos de 120 bilhões de dólares - que, junto com os juros baixíssimos, está mantendo os custos dos empréstimos baixos e apoiando o crescimento econômico - as autoridades disseram que vão reduzir o programa antes de começar a elevar os juros.

Após a Grande Crise Financeira, demorou dois anos completos para o anúncio formal em dezembro de 2013 da redução das compras de títulos para o primeiro aumento da taxa de juros. A redução das compras se encerrou em 10 meses e deixou a economia com mais de um ano para se preparar para custos de empréstimos mais elevados. Demorou mais um ano entre a primeira e a segunda elevação dos juros.

Desta vez, é mais provável que o Fed comece uma redução em janeiro, de acordo com pesquisa da Reuters. Ter dois aumentos dos juros até o final de 2023, conforme as projeções, encurtaria substancialmente o caminho para a transição da redução gradual para a subida das taxas, e os aumentos nas taxas também são projetados para virem mais rapidamente.

NA MESMA PÁGINA QUE OS MERCADOS?

Isso não quer dizer que a troca de marcha, do afrouxamento da política monetária para um aperto lento, seja iminente.

A economia, observou o chair do Fed, Jerome Powell, na quarta-feira, ainda tem "um caminho" a percorrer antes que a economia se recupere o suficiente para que o Fed comece a reduzir as compras mensais de títulos. E o momento da decolagem nem está em discussão, disse ele.

A principal mensagem das projeções do Fed, disse Powell, é que "muitos participantes estão mais confortáveis com o fato de que as condições econômicas na orientação futura do comitê (de política monetária) serão atendidas um pouco mais cedo do que o esperado".

Isso, acrescentou ele, "será um desenvolvimento bem-vindo: se tais resultados se materializarem, significa que a economia terá progredido mais rapidamente em direção aos nossos objetivos".

Também será diferente da última vez, quando a economia, ao se recuperar da crise financeira de 2007-2009, normalmente ficava aquém das projeções que as autoridades do Fed traçavam a cada trimestre.

Powell disse que o Fed irá, a partir de sua reunião no mês que vem, começar a avaliar se a economia progrediu o suficiente em direção à meta de inflação de 2% e pleno emprego para justificar a redução das compras de títulos, e será "ordeiro, metódico e transparente".

Isso é mais uma diferença do último projeto.

"Em 2013, foi o Fed iniciando a conversa sobre reduzir, e os mercados foram pegos de surpresa", disse Ellen Gaske, economista da PGIM Fixed Income. Desta vez, disse ela, "está claro que os mercados e o Fed estão em grande parte na mesma página".

Últimas