Economia FGV: inflação da classe C acelera e pesa no bolso das famílias em julho

FGV: inflação da classe C acelera e pesa no bolso das famílias em julho

Índice mede o impacto dos preços para as famílias que recebem renda de um (R$ 954) a dois e meio (R$ 2.385) salários mínimos

Inflação da classe C

Índice foi divulgado nesta sexta pela FGV

Índice foi divulgado nesta sexta pela FGV

Marcello Casal jr/Agência Brasil

A inflação da classe C acelerou em julho, segundo os dados o IPC-C1 (Índice de Preços ao Consumidor — Classe 1) divulgados na manhã desta sexta-feira (3) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

O índice mede o impacto da inflação para as famílias de baixa renda, que recebem de um (R$ 954) a dois e meio (R$ 2.385) salários mínimos por mês. 

Em julho, o indicador registrou aceleração de 0,25%, resultado menor do que o registrado no mês anterior (1,52%). 

De janeiro a julho deste ano, o indicador acumula alta de 3,29%. Para efeito de comparação, a inflação oficial, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE, acumulou 2,6% entre janeiro e junho.

O que afetou o bolso?

Os preços dos alimentos, que haviam subido 2,31% em geral em junho, recuaram 0,45% no mês passada. No caso da habitação, houve aumento dos preços em geral (1,4%), mas abaixo dos 2,36% registrados em junho.

No grupo transportes, os preços ficaram estáveis após leve alta em junho (0,73%). Por fim, os itens de vestuário ficaram mais leves no bolso do consumidor (queda de 0,64%). 

Os itens que tiveram aceleração da inflação são comunicação (0,15% para 0,29%) e saúde e cuidados pessoais (0,15% para 0,20%). 

Os produtos que ficaram mais leves no bolso da classe C foram as hortaliças e legumes (recuo de 21,37%). Os preços da gasolina, das roupas e dos alimentos para animais domésticos ficaram praticamente estáveis. Por outro lado, subiram a conta de luz (alta de 5,75%) e as despesas com hotel (1,86%).

    Access log