Economia Fluxo de veículos nas estradas brasileiras cai 8,8% em janeiro

Fluxo de veículos nas estradas brasileiras cai 8,8% em janeiro

Resultado do Índice ABCR de Atividade confirma momento de incerteza na retomada da economia em 2021

Agência Estado - Economia
Fluxo de dezembro foi 2,5% maior em relação a janeiro

Fluxo de dezembro foi 2,5% maior em relação a janeiro

Luis Lima Jr./Fotoarena/Estadão Conteúdo - 28.1.2021

Evidências não faltam para demonstrar a falta de vitalidade da economia neste início de ano. O Índice ABCR de Atividade, calculado pela consultoria Tendências com dados da associação das concessionárias de rodovias, mostrou queda de 8,8% no fluxo de veículos nas estradas em janeiro, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em relação a dezembro, a redução da circulação foi de 2,5%. 

Uma visão preliminar do ICVA, indicador de vendas do varejo criado pela empresa de meios de pagamento Cielo, mostra que janeiro "virá no mesmo patamar de dezembro, o que não é bom", diz o superintendente executivo de Inteligência da companhia, Gabriel Mariotto.

Os dados completos serão divulgados na semana que vem, mas o executivo adianta que os piores resultados virão de bares e restaurantes e das livrarias e papelarias. Além disso, a região Norte "despencou" no ICVA de janeiro.

Para Mariotto, tanto a ótica setorial quanto a ótica regional sugerem os efeitos do recrudescimento da pandemia. Com o avanço da covid-19, em várias cidades do País, bares e restaurantes sofreram restrições no funcionamento no fim do ano. Já o desempenho da região Norte foi marcado pela crise sanitária e o caos causado pela falta de oxigênio em Manaus, capital do Amazonas.

Incertezas

A combinação da pandemia com a retirada do apoio do governo via auxílio emergencial pode levar a economia a se retrair, mas Bráulio Borges, economista sênior da LCA Consultores diz que há incertezas sobre o segundo trimestre. Para o economista, a reedição do auxílio, em debate entre o governo e o Congresso Nacional, dará o tom - ao lado da repetição de medidas como antecipações do 13º de aposentadorias ou liberações de saques do FGTS.

"No curto prazo, essas muletas são importantes. Agora, lá na frente, sem elas, a economia vai depender do mercado de trabalho", afirma Borges, lembrando que o desemprego segue elevado.

Últimas