Fundos têm captação líquida de R$ 11,9 bi em março, diz Anbima

Os fundos de investimento estão registrando entrada líquida de recursos a despeito da crise provocada pela pandemia do coronavírus. No acumulado do mês até a última sexta-feira, dia 20, a indústria de fundos anotou captação líquida de R$ 11,9 bilhões, conforme dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Entre as modalidades, o destaque ficou com os fundos de ações com a captação superando os resgates em R$ 5,8 bilhões no período.

No ano, a captação líquida acumulada da indústria de fundos chega a R$ 49,6 bilhões, de acordo com a entidade.

A maior saída no mês foi nos fundos de renda fixa, com saída líquida de R$ 5,34 bilhões. Uma das classes dessa modalidade que vem sofrendo com a crise são os fundos de crédito privado, por exemplo. No ano os resgates líquidos dos fundos de renda fixa chegam a R$ 15,3 bilhões.

Outra classe que registrou resgate líquido de 1º a 20 de março foi a dos fundos multimercados, que são aqueles que podem investir em diversas classes de ativos, com saída líquida de R$ 3,6 bilhões em março. No acumulado do ano, contudo, os multimercados ainda registram entrada líquida, com R$ 15,5 bilhões.

Além dos fundos de ações, que estão registrando entrada de recursos, os fundos de índices (ETF, na sigla em inglês), que são passivos, registraram no mês captação líquida de R$ 6,49 bilhões e no ano de R$ 10,5 bilhões.