Economia Geadas afetam produção de legumes e frutas no interior de SP

Geadas afetam produção de legumes e frutas no interior de SP

Os agricultores, que já tiveram lavouras afetadas no último dia 20, ainda não conseguiram estimar os prejuízos

Agência Estado
Geada atinge área conhecida como terreno da vaquinhas, em São José dos Campos (SP)

Geada atinge área conhecida como terreno da vaquinhas, em São José dos Campos (SP)

LUCAS LACAZ RUIZ/ESTADÃO CONTEÚDO/03/07/2021

A segunda geada forte em menos de dez dias atingiu produções de legumes, frutas e pastagens, na madrugada desta quinta-feira (28), no interior de São Paulo. Os agricultores, que já tiveram lavouras afetadas pelo fenômeno climático no último dia 20, ainda não conseguiram estimar os prejuízos. Houve perdas generalizadas em praticamente todo o interior. As secretarias municipais de agricultura alertam para novas ocorrências de geadas.

Em Piedade, produtores de morango protegeram parte das plantações cobrindo os canteiros com plásticos, mas não evitaram o prejuízo. Em algumas regiões, a geada foi tão forte que atingiu os pés de morango que estavam sob a lona. “Houve queima de frutos e principalmente de flores, mas a maior parte escapou da geada”, disse o agricultor Claiton Silva, que cultiva 30 mil pés do fruto. Outros produtores não tomaram medidas preventivas e tiveram perdas maiores.

Plantações de verduras e legumes a campo também sofreram com a geada. O produtor Antônio de Moraes viu o frio intenso queimar dois hectares de chuchu. O prejuízo não foi maior porque outros oito hectares tinham sido colhidos e cortados para um novo plantio, programado para o mês de agosto. O lavrador José Roberto de Moura encontrou a plantação de repolho coberta por uma camada de gelo na manhã desta quinta. “Estou numa região mais alta e esperava estar fora de risco, mas pegou em geral, terrenos baixos e altos”, disse.

A Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente do município havia alertado os agricultores para a adoção de medidas preventivas. Como há previsão de nova geada, a pasta voltou a distribuir alertas para que os produtores irriguem as lavouras antes do nascer do sol. De acordo com a secretaria, a geada atingiu lavouras de alface, couve e outras folhosas, além de abobrinha, chuchu, couve-flor, tomate, morango e batata. Cerca de 80% da economia do município vem da produção agrícola. Os prejuízos causados pelas geadas ainda estão sendo contabilizados.

Em Itapetininga, a geada terminou de ‘queimar’ vinte hectares de pasto cultivados pela criadora Maria Cândida Soares Silva, no bairro Varginha. Ela se viu obrigada a alimentar com ração no curral as vacas de leite da raça Jersey. “No preço em que está o leite, não compensa. É uma pena, pois o pasto foi adubado e estava muito bom. Na geada passada, ressecou o capim mais alto, mas agora pegou até a raiz”, lamentou. Produtores de leite de Sarapuí, Conchas e Pereiras também registraram perdas de pastagens, queimadas pelas geadas.

Em Apiaí, plantações de banana foram fortemente atingidas pelas geadas. Alguns produtores salvaram parte da produção ensacando os cachos. Houve prejuízos também em bananais de Sete Barras, Juquiá e Eldorado, cidades do Vale do Ribeira, maior região produtora de bananas do Estado. Até a tarde desta quinta não tinham sido estimados os danos da segunda geada que atingiu a região em menos de dez dias.

Últimas