Economia Gigantes da África perdem corrida na Opep para bombear mais petróleo

Gigantes da África perdem corrida na Opep para bombear mais petróleo

ENERGIA-OPEP-AFRICA:Gigantes da África perdem corrida na Opep para bombear mais petróleo

Reuters - Economia

Por Libby George

LAGOS (Reuters) - Grandes exportadores de petróleo, Nigéria e Angola irão encontrar dificuldades para impulsionar a produção aos níveis da cota da Opep até, pelo menos, ano que vem, à medida que a falta de investimento e os persistentes problemas de manutenção continuam a prejudicar a produção, alertaram fontes de suas respectivas empresas de petróleo.

As suas dificuldades refletem a de diversos outros membros do grupo da Opep+ que diminuíram a produção no último ano para apoiar os preços quando o Covid-19 atingiu a demanda, mas agora não estão conseguindo aumentar a produção para atender as crescentes necessidades mundiais de combustível, com a recuperação da economia.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (Opep+) concordou em julho em acrescentar 400 mil barris por dia (bpd) para produção, a partir de agosto até dezembro de 2021, lentamente eliminando os cortes de oferta sem precedentes.

No entanto, a Nigéria e a Angola tiveram uma produção de 276 mil bpd abaixo da meta até agora este ano, em relação ao total combinado de 2,83 milhões de bpd, de acordo com dados do Refinitiv. Eles devem permanecer abaixo da cota até o final do ano, de acordo com fontes da indústria e cálculos da Reuters.

Os 'lockdowns' com o objetivo de conter o Covid-19 no ano passado dificultaram o fornecimento de peças de reposição e impediram os trabalhos de manutenção. As empresas atingidas por uma mínima de 20 anos nos preços do petróleo também adiaram grandes investimentos.

Kola Karim, chefe executivo da produtora nigeriana Shoreline Natural Resources, que possui oito campos de produção com bombeamento de cerca de 50 mil bpd, disse que o atraso significa que faltam de um a dois quartos antes que a Nigéria possa bombear em sua capacidade total.

(Reportagem adicional de Camillus Eboh em Abuja e Karin Strohecker em Londres)

Últimas