Novo Coronavírus

Economia Governo quer usar em 2021 recursos deste ano para covid 

Governo quer usar em 2021 recursos deste ano para covid 

Medida permite que R$ 2,5 bilhões em despesas de assistência social para combate da pandemia sejam usadas no ano que vem

Agência Estado

Resumindo a Notícia

  • Governo quer usar, em 2021, recursos contra covid-19 previstos para este ano
  • Em parecer, área técnica do TCU se manifestou favoravelmente ao pedido do governo
  • Medida vai permitir que R$ 2,5 bi em despesas de assistência social sejam executadas em 2021
Governo quer usar recursos da covid-19 deste ano em 2021

Governo quer usar recursos da covid-19 deste ano em 2021

Reuters

O governo pediu ao TCU (Tribunal de Contas da União) que estenda a possibilidade de usar em 2021 recursos contra covid-19 previstos para este ano no Fundo Nacional de Assistência Social. Uma decisão da Corte de Contas já liberou pagamentos realizados por meio do Fundo Nacional de Saúde e as despesas do orçamento de guerra, criado para abrigar os gastos de combate à pandemia, desde que já tivessem sido iniciadas.

Em parecer, a área técnica do tribunal se manifestou de forma favorável ao pedido do governo. Na prática, a medida vai permitir que R$ 2,5 bilhões em despesas de assistência social para o enfrentamento da calamidade sejam executadas em 2021. Caso contrário, o dinheiro precisaria ser devolvido ao Tesouro Nacional.

O valor pode se somar aos R$ 31,612 bilhões em gastos da pandemia que devem ser inscritos nos chamados "restos a pagar" e que serão levados para o Orçamento do ano que vem.

A Secretaria Nacional de Assistência Social, ligada ao Ministério da Cidadania, defendeu a extensão do entendimento do TCU e argumentou que uma compreensão diferente dessa seria "prejudicial ao Sistema Único de Assistência Social (Suas) e ao desenvolvimento das ações socioassistenciais no enfrentamento da pandemia da covid-19 essenciais à população mais vulnerável e em risco social, que tem a sua condição agravada frente ao contexto de continuidade da infecção do novo coronavírus".

Últimas