Governo zera tarifa de importação de milho e soja para conter preços

 Isenção para soja valerá até 15 de janeiro e para milho até 31 de março. Objetivo é promover um ajuste entre a oferta e a demanda até a colheita

Isenção de tarifa para soja valerá até janeiro

Isenção de tarifa para soja valerá até janeiro

Arquivo/Agência Brasil

Numa tentativa de conter a alta de preços no setor de alimentos, o Gecex (Comitê-Executivo de Gestão), da Camex (Câmara de Comércio Exterior), decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para soja e milho.

No caso de soja, a redução temporária será válida até 15 de janeiro de 2021 o grão, farelo e óleo de soja.

Quanto ao milho, a isenção valerá até 31 de março de 2021.

Leia mais: Chuva ainda é insuficiente para plantio de soja 2020/21 deslanchar no Brasil

A decisão foi tomada na sexta-feira (16), durante a 175ª Reunião Extraordinária do Gecex, por propostas dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no que tange à soja, e da Economia, no que se refere ao milho.

Leia mais: Supermercados denunciam pressão para aumentar preços de alimentos

Os prazos de isenção foram estabelecidos para não comprometer a comercialização da próxima safra, que tem a colheita prevista para início do próximo ano, segundo o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Leia mais: Arroz, feijão e ovo estão caros, mas há opções mais em conta. Confira!

O aumento pela demanda mundial de alimentos, ocasionado pela ocorrência da pandemia da covid-19, gerou reflexos semelhantes, mas com motivações diferenciadas, nos mercados relativos a essas duas commodities.

No caso do milho, houve um aumento no consumo interno para abastecer a produção de proteína animal, que registrou crescimento nas exportações.

Leia mais: Os alimentos que estão impactando o orçamento das famílias

Movimento que já vem sendo registrado nas últimas duas décadas, a uma taxa de 14,3% ao ano.

No caso da soja e derivados, como farelo e óleo, também houve aumento nas vendas externas que ganharam impulso com a valorização do dólar.

“Em virtude desses fatores, foi conveniente buscar uma medida preventiva, de maneira a equalizar as condições de importação de terceiros países com o Mercosul, fortalecendo o abastecimento do mercado doméstico.”
Sílvio Farnese, diretor de comercialização e abastecimento

É importante ressaltar, segundo o diretor do Mapa, que não há expectativa de falta dos produtos.

Leia mais: Óleo de soja, arroz, leite e carne estão mais caros. O que fazer?

O objetivo é promover um ajuste entre a oferta e demanda desses produtos no período anterior à colheita da safra 2020/2021, que ocorre a partir do início do próximo ano.