Economia Ibovespa cai com apreensão sobre efeitos econômicos do coronavírus 

Ibovespa cai com apreensão sobre efeitos econômicos do coronavírus 

Índice de referência do mercado acionário brasileiro caiu 1,2%, aos 78.118,57 pontos, após sessão marcada pela volatilidade

Reuters
Reuters

Reuters

Amanda Perobelli/Reuters - 25.7.2019

O Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira (7), após um pregão volátil, com as preocupações sobre os efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia brasileira.

Também pesou o ambiente político a influência positiva do cenário externo e o corte acima do esperado da taxa básica de juros da economia brasileira na véspera.

Leia mais: Entenda por que o dólar bate recorde e bolsa cai

Na sessão, o índice de referência do mercado acionário brasileiro caiu 1,2%, aos 78.118,57 pontos, após oscilar entre 78.061,44 pontos e 80.061,19 pontos ao longo do dia, com balanços corporativos também no radar dos agentes financeiros. O volume financeiro do pregão somou R$ 28,5 bilhões.

A decisão do Banco Central de reduzir o juro básico do país a 3% ao ano deu suporte a ações de exportadoras, em movimento ainda respaldado por dados de comércio exterior da China melhores do que o esperado. O corte de 0,75 ponto percentual, no entanto, também reforça um ambiente que tende a favorecer a migração de recursos para ativos como ações.

Ao longo do dia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou mais cedo que empresários alertaram o governo que, mantidas as medidas de contenção ao coronavírus, em 30 dias pode começar a faltar comida e produtos na prateleiras.

"E aí você entra em um sistema não só de colapso econômico, mas de desorganização social", afirmou na porta do STF (Supremo Tribunal Federal), onde participou ao lado de Bolsonaro e de uma comitiva de empresários de audiência de última hora com o presidente da corte, Dias Toffoli.

Para o analista Ilan Arbertman, da Ativa Investimentos, a declaração alinhada de Bolsonaro e Guedes repercutiu bem, mas não há discurso que tire o risco e a efervescência política do radar dos investidores, que segue penalizando ativos domésticos.

"Tudo isso em um momento frágil da economia do País. Não dá para ignorar 'termos' como 10 milhões de empregos perdidos, colapso da economia. Tudo isso tem reforçado o entendimento no mercado de que a retomada da economia pode ser mais demorada do que se previa", acrescentou.

Destaques

- BANCO DO BRASIL ON caiu 2,7%, mesmo com resultado considerado positivo por analistas, mas incapaz de evitar a pressão negativa nos papéis de bancos, que responderam pela maior pressão de baixa no Ibovespa, dadas as perspectivas econômicas sombrias, além do corte da Selic. BRADESCO PN caiu 4,3% e ITAÚ UNIBANCO PN perdeu 3,6%.

- AMBEV ON fechou em queda de 2,45%, após forte queda no lucro do primeiro trimestre e perspectiva de que o que o impacto da pandemia nos resultados do segundo trimestre seja materialmente maior.

- VALE ON fechou com acréscimo de 3,88%, favorecida ainda pela alta dos preços do minério de ferro na China, com o setor de mineração e siderurgia como um todo em alta. GERDAU PN avançou 6,96%.

- PETROBRAS PN valorizou-se 0,93% e PETROBRAS ON ganhou 2,01%, mesmo com a piora dos preços do petróleo no mercado internacional. Fontes ouvidas pela Reuters afirmaram que a Petrobras adiou planos para a venda de fatia do polo de Marlim, na Bacia de Campos.

Últimas