Economia Ibovespa futuro avança com apetite a risco global 

Ibovespa futuro avança com apetite a risco global 

Ás 09:25 o contrato do principal índice acionário do mercado nacional, que vence em 17 de fevereiro, subia 0,72%, a 118.750 pontos

Reuters

Principal índice acionário do mercado nacional, o Ibovespa futuro, com vencimento mais curto avançava na manhã desta segunda-feira (28), beneficiado pelo viés positivo para ativos de risco globalmente, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinar o pacote de ajuda fiscal.

Leia mais: Ibovespa fecha em queda, mas tem melhor novembro desde 1999

Por volta 09:25, o contrato do Ibovespa que vence em 17 de fevereiro subia 0,72%, a 118.750 pontos.

Trump sancionou no domingo um pacote de ajuda pela pandemia e de gastos no valor total de 2,3 trilhões de dólares, restaurando o auxílio-desemprego a milhões de norte-americanos e evitando a paralisação do governo federal.

Na visão do estrategista Dan Kawa, da TAG Investimentos, o pacote deve dar suporte para que a economia dos EUA atravesse um período mais turbulento até que a vacinação atinja uma escala maior e permita uma recuperação mais estrutural do país.

Ele também destacou em comentários a clientes mais cedo que o processo de vacinação vem ganhando escala ao redor do mundo e trazendo expectativas de uma normalização econômica e social ainda no primeiro semestre de 2021.

Ainda no radar, o Reino Unido publicou no sábado o texto do acordo comercial com a União Europeia apenas cinco dias antes de sair de um dos maiores blocos comerciais do mundo, em sua mudança global mais importante desde a queda do império.

Futuros acionários nos Estados Unidos avançavam nesta segunda-feira, assim como pregões europeus, com o alemão DAX atingindo máxima histórica. Os preços do petróleo também subiam.

No curto-prazo, Kawa avaliou que os ativos brasileiros serão ajudados pelo fluxo global para ativos ciclos, que se beneficiam da recuperação mundial, como as commodities.

"Contudo, sem um processo de vacinação em massa, corremos o risco de 'ficarmos para trás' no processo de recuperação e pagarmos um preço elevado em momentos de menor liquidez global."

Últimas