Coronavírus

Economia Indústria de 8 locais cresce mais do que a média nacional, diz IBGE

Indústria de 8 locais cresce mais do que a média nacional, diz IBGE

Segundo a Pesquisa Industrial Mensal Regional, de 15 localidades analisadas, dez apresentaram alta de outubro para novembro

  • Economia | Pietro Otsuka, do R7

Resumindo a Notícia

  • A produção industrial em oito locais foi maior do que a média nacional
  • Segundo a PIM Regional, as oito localidades já superam, também, perdas da pandemia
  • Bahia (4,9%) e Rio Grande do Sul (3,8%) foram os destaques em novembro
  • Pará (-5,3%) e Mato Grosso (-4,3%) registraram quedas mais acentuadas
Produção industrial avança em dez
 dos 15 locais analisados

Produção industrial avança em dez dos 15 locais analisados

REUTERS/Alexandre Mota

A produção industrial apresentou alta em dez dos 15 locais analisados pela PIM (Pesquisa Industrial Mensal) Regional na passagem de outubro para novembro. E oito destas localidades superaram a produção industrial média nacional. Em novembro, o setor cresceu 1,2% no país.

Leia mais: Produção industrial cresce pelo sétimo mês em novembro, diz IBGE

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (14) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O resultado mostra também que oito estados já superaram o patamar de fevereiro do ano passado, período anterior à pandemia do novo coronavírus: Amazonas (14,9%), Santa Catarina (9,5%), Ceará (7,5%), Minas Gerais (6,2%), São Paulo (6%), Paraná (5,9%), Rio Grande do Sul (5,2%) e Pernambuco (1,8%).

Bahia foi o estado que mais cresceu (4,9%), seguida pelo Rio Grande do Sul (3,8%) e Amazonas (3,4%).

“Esse aumento em novembro na Bahia foi impulsionado pelo resultado do setor de celulose e do setor de bebidas”, afirma o gerente da pesquisa, Bernardo Almeida.

Já a produção industrial gaúcha, a segunda maior influência positiva, registra a sétima alta consecutiva, com acumulado de 67% entre maio e novembro.

Segundo Bernardo, o Rio Grande do Sul contou com boa participação do setor de couro, artigos de viagens e calçados.

Já o Amazonas, com a alta em novembro influenciada pelo setor de bebidas, eliminou a queda de 0,7% registrada em outubro.

São Paulo, que tem a maior participação nos resultados da indústria nacional, cresceu 1,5% em novembro, após recuar 0,5% em outubro. Antes disso, o estado havia registrado cinco meses de crescimento, entre maio e setembro, quando acumulou ganhos de 47%. 

“Como nos últimos meses, as influências positivas na indústria paulista foram do setor de veículos e do setor de máquinas e equipamentos”, diz Bernardo.

Quedas

Por outro lado, entre os locais que registram as maiores quedas em novembro, destaque para o Pará e o Mato Grosso, que viram a produção industrial em seus territórios encolher 5,3% e 4,3%, respectivamente. 

O Pará teve a maior diminuição em termos absolutos e foi a principal influência negativa no mês.

“É a terceira taxa negativa consecutiva da indústria paraense, com perda acumulada de 10,4%”, registra Bernardo, citando como influências negativas para o estado o setor extrativo, que concentra cerca de 88% de toda produção industrial do Pará, e o setor de alimentos.

Já o Mato Grosso voltou a recuar após crescer 0,8% em outubro. O principal componente da queda foram os resultados negativos dos setores de alimentos, muito influente na indústria local, e de derivados do petróleo e biocombustíveis.

Os outros três locais que apresentaram queda em novembro foram Pernambuco (-1,0%), Espírito Santo (-0,9%) e Goiás (-0,9%).

Últimas