Inflação da construção perde ritmo em outubro, diz FGV

Indicador registrou taxa de 0,12% no período, frente a 0,60% em setembro deste ano, e acumula alta de 3,84% em 2019

Mão de obra não registrou variação em outubro

Mão de obra não registrou variação em outubro

Willian Moreira/ Futura Press/ Estadão Conteúdo - 21.09.2019

A inflação da construção civil perdeu ritmo em outubro deste ano, segundo o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), divulgado nesta segunda-feira (28) pela FGV (Fundação Getulio Vargas). 

O indicador registrou taxa de 0,12%, frente a 0,60% em setembro deste ano. 

A mão de obra não registrou variação em outubro, enquanto a taxa de materiais, equipamentos e serviços variou 0,27%. 

Os produtos que ficaram mais caros no período foram dos tubos e conexões de PVC, condutores elétricos, tubos e conexões de ferros e aço, vergalhões e arames de aço ao carbono e tijolo/ telha de cerâmica. 

Em contrapartida, os itens que pesaram menos no bolso dos brasileiros foram cimento Portland comum, projetos, massa de concreto, placas de cerâmicas para revestimento e impermeabilizante. 

A inflação acumula alta de 3,84% de janeiro a outubro deste ano e de 4,23% nos últimos 12 meses.