Economia Inflação da construção perde ritmo, mas imóvel na planta sobe quase 8%

Inflação da construção perde ritmo, mas imóvel na planta sobe quase 8%

Índice divulgado pela FGV — responsável por reajustar saldo devedor do imóvel — marcou 1,29% em novembro e acumula alta de 7,86% em um ano

  • Economia | Pietro Otsuka, do R7

Imóvel na planta sobe quase 8% em um ano

Imóvel na planta sobe quase 8% em um ano

MARCELO D. SANTS/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

O INCC-M (Índice Nacional de Custos da Construção), principal índice usado para reajustar os financiamentos imobiliários, perdeu ritmo e marcou 1,29% em novembro, contra 1,69% em outubro, informou nesta quarta-feira (25) a FGV (Fundação Getulio Vargas).

Veja também: Prévia da inflação atinge maior patamar para novembro em 5 anos

Com o resultado, o índice acumula alta de 7,71% no ano e de 7,86% em 12 meses. Isso significa que quem comprou um apartamento na planta em novembro de 2019 teve o saldo devedor reajustado em quase 8% agora. No entanto, vale lembrar que, nesses 12 meses, o tomador de crédito pagou parcelas e parte da dívida com o banco. 

Leia mais: Mais de 40% dos reajustes salariais de 2020 foram acima da inflação

Quando o comprador financia um imóvel na planta, não apenas compra mas também financia a construção desse empreendimento. Essa construção está sujeita à variação do custo dos materiais utilizados e, por isso, o INCC é usado para reajustar o saldo devedor durante essa fase.

A desaceleração da inflação da construção civil se deu, principalmente, pela perda de ritmo no grupo Materiais e Equipamentos, que marcou 2,85% neste mês, contra 4,12% de outubro. 

Vale ressaltar o desempenho de materiais para estrutura, que foi de 4,45% em outubro, para 3,22% em novembro, além de materiais para instalação, que apresentou uma desaceleração considerável, indo de 7,55% no mês anterior, para 2,79% neste mês.

Seis capitais brasileiras contribuíram para a perda de ritmo da inflação da construção civil, sendo elas Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. 

Por outro lado, o INCC em Porto Alegre acelerou neste mês. Em outubro, índice marcava 1,24%, já em novembro ficou em 2,48%.

Últimas