Inflação

Economia Inflação do Dia das Mães atinge maior nível dos últimos 20 anos

Inflação do Dia das Mães atinge maior nível dos últimos 20 anos

Lista com os 31 presentes e serviços mais procurados para a data saltou 9,1% no acumulado dos últimos 12 meses, aponta FGV

  • Economia | Do R7

Produtos comumente escolhidos para presentear as mães estão 4,25% mais caros

Produtos comumente escolhidos para presentear as mães estão 4,25% mais caros

EVANDRO LEAL/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO - 2.5.2022

Os presentes e serviços mais procurados para o Dia das Mães dispararam 9,1% nos últimos 12 meses. O patamar, pouco abaixo da inflação geral acumulada no período (+10,4%), é o maior para a cesta desde 2003 (+10,8%).

O estudo realizado pelo FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), a partir de 31 itens, mostra que os serviços foram os protagonistas da inflação para as mães no último ano, com alta 13,8% no período.

Entre os itens individuais, a maior variação foi apurada no preço das passagens aéreas, que quase dobrou no acumulado dos últimos 12 meses (+72,8%). Também na cesta de serviços, restaurantes (+8,1%), hotéis (+5,7%), excursões e tours (+4,5%) e salões de beleza (+4,2%) sofreram aumentos abaixo da inflação geral.

As atrações culturais aparecem como uma das melhores opções de programa com a mãe, com seus preços perto da estabilidade em relação ao ano passado. Shows (+0,1%), cinemas (+1,3%) e teatros (+1,4%) ainda apresentam reajuste bem tímido na medida em que as atividades retornam à normalidade pós-pandemia.

Matheus Peçanha, pesquisador do Ibre, avalia que a retomada pós-pandemia tem um papel importante nessa dinâmica de preços dos produtos amplamente consumidos na data comemorativa.

“O setor turístico apresentou um incremento na demanda que estava reprimida desde a pandemia da Covid-19, e os preços estão refletindo isso. No caso dos restaurantes, ainda há a agravante do custo dos alimentos, que tem sido o foco da inflação recente”, explica ele.

Presentes

Entre os produtos mais comumente escolhidos como presente, a cesta de 22 bens duráveis e semiduráveis teve um crescimento médio de 4,25%. As maiores altas vieram principalmente dos eletrodomésticos e do setor têxtil: cama, mesa e banho (11%), geladeira e freezer (+8,7%), máquina de lavar roupas (+7,5%), micro-ondas (6,7%) e roupas femininas (6,6%).

Por outro lado, os menores aumentos ficaram na conta da linha marrom e alguns bens semiduráveis: perfume (0,1%), computadores e periféricos (0,3%), celulares (0,6%), artigos de maquiagem (0,9%) e fogão (2%).

De acordo com Peçanha, os preços dos itens parecem apresentar uma situação de "inércia", após um período difícil para o custo da indústria de bens duráveis com as commodities (matérias-primas com cotação internacional) metálicas acumulando sucessivos aumentos em 2020 e 2021.

"A matéria-prima alcançou um patamar de estabilidade, mas nem isso nem os benefícios tarifários proporcionados pelo governo parecem surtir efeito para segurar a ainda persistente volatilidade nos preços ao consumidor final”, avalia o economista.

Últimas