IPP sobe 1,22% em maio ante 0,11% em abril, revela IBGE

O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 1,22% em maio, informou nesta quarta-feira (1) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de abril foi revista de uma alta de 0,12% para avanço de 0,11%.

O IPP mede a evolução dos preços de produtos na "porta da fábrica", sem impostos e fretes, da indústria extrativa e de 23 setores da indústria de transformação. Com o resultado de maio, o IPP de indústrias de transformação e extrativa acumulou aumento de 3,37% no ano de 2020. A taxa acumulada em 12 meses foi de 4,60%.

Considerando apenas a indústria extrativa, houve elevação de 9,13% em maio, após a alta de 4,04% registrada em abril. Já a indústria de transformação registrou aumento de 0,87% em maio, ante recuo de 0,05% no IPP de abril.

Atividades

A alta de 1,22% nos preços dos produtos industriais na porta de fábrica em maio foi decorrente de avanços em 16 das 24 atividades pesquisadas. As maiores elevações foram registradas pelas indústrias extrativas (9,13%), outros equipamentos de transporte (4,57%) e têxtil (4,36%).

Em termos de influência, os principais impactos positivos sobre o IPP foram dos aumentos nos preços dos alimentos (alta de 2,47% e impacto de 0,60 ponto porcentual), das extrativas (0,39 ponto porcentual) e veículos automotores (aumento de 1,80% e impacto de 0,15 ponto porcentual).

A principal queda foi em refino de petróleo e produtos de álcool, -5,78%, com contribuição de -0,41 ponto porcentual para a inflação do mês.