JBS USA eliminará ractopamina da cadeia de suprimento, abrindo espaço para vendas à China

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) - O frigorífico norte-americano JBS USA, do grupo brasileiro JBS, eliminará o aditivo alimentar ractopamina de sua cadeia de suprimentos para ampliar oportunidades de exportação, disse a empresa nesta sexta-feira, abrindo caminho para um aumento nas vendas de carne de porco para a China.

O movimento vem em meio à expectativa de que a China, maior produtora de carne suína do mundo, acelere importações da proteína após sua criação de porcos ter sido dizimada pela peste suína africana.

O país asiático proíbe a ractopamina.

"Estamos confiantes de que essa decisão vai gerar benefícios de longo prazo para nossos parceiros de produção e nossa indústria, ao garantir que os produtos suínos dos Estados Unidos possam competir de maneira justa no mercado internacional", disse a JBS USA em um comunicado enviado por e-mail.

A JBS acrescentou que já havia retirado a ractopamina de alguns de seus sistemas de produção em agosto de 2018.

Rival da JBS USA na produção de carne de porco nos EUA, a Smithfield Foods, que pertence ao chinês WH Group, já cria todos os seus porcos sem o aditivo tanto nas fazendas da empresa quanto nas contratadas.

A Tyson Foods também disse à Reuters anteriormente que analisa diversificar seu suprimento de carne de porco para que inclua animais livres de ractopamina, de olho na expansão da demanda.

Os frigoríficos norte-americanos esperam se beneficiar da epidemia de peste suína africana que atingiu a China, gerando escassez de oferta de carne suína no país. O rebanho de porcos da China deve encolher em 55% até o final do ano devido à doença, de acordo com o Rabobank.

(Reportagem de Tom Polansek)