Laudo é barreira para 76% dos deficientes em busca de emprego

Profissionais com e sem o documento afirmam que já tiveram problemas na hora de serem contratados, afirma pesquisa da Catho

Pesquisa ouviu 5.200 profissionais com deficiência

Pesquisa ouviu 5.200 profissionais com deficiência

Pixnio

A necessidade da apresentação de um laudo na hora de buscar uma colocação profissionais é citada por 76% dos deficientes como um dos entrevas para ingressar no mercado de trabalho, de acordo com um estudo realizado com 5.200 profissionais com deficiência pelo site de vagas Catho.

De acordo com o levantamento, 64% dos profissionais que não possuem laudo afirmam que já tiveram problemas em serem contratados devido à ausência do documento. Já entre os que possuem a declaração, 29% tiveram problemas na hora de efetivação.

Leia mais: Metade das vagas para deficientes nas empresas está desocupada

As principais queixas dos profissionais são de que as empresas negam o documento sem justificar o motivo (35%) e alegam que laudo estava incompleto ou errado (23%). A entrega dos laudos é utilizada como pré-requisito para a contratação de profissionais abrangidos pela Lei de Cotas.

Para a gerente da Catho, Maiara Tortorette, a contratação de profissionais com deficiência no Brasil ainda é cercada de dúvidas, tanto por parte dos profissionais, quanto por parte das empresas.

Veja mais: Envelhecer é novo desafio para pessoas com deficiência intelectual

“Contratar um profissional por meio Lei de Cotas segue alguns protocolos, dentre eles, o laudo que atesta e caracteriza por deficiência. Afinal, apenas algumas especificidades são abrangidas pelo decreto 10.690. Essa tenuidade é facilmente confundida, pois afinal, ainda faltam conhecimentos acerca dos enquadramentos da legislação”, afirma.

Ainda segundo o estudo, os principais pontos de dificuldade dos profissionais com deficiência em relação ao laudo e a contratação estão atreladas à  falta de conhecimento por parte das empresas (43%), dificuldades para conseguir uma consulta e solicitação de laudo (32%), falta de informação sobre as deficiências que são abrangidas pela Lei de Cotas (27%) e carência de informações sobre os itens que precisam constar no laudo(24%).