Economia Leilões de áreas de exploração de petróleo são adiados por incertezas

Leilões de áreas de exploração de petróleo são adiados por incertezas

Resolução aprovada pelo CNPE autoriza o adiamento das licitações em regime de concessão para 2021 e 2022 por conta da pandemia do novo coronavírus

Reuters
17ª rodada de licitação estava prevista para novembro

17ª rodada de licitação estava prevista para novembro

Sergio Moraes/Reuters

O CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) aprovou nesta terça-feira uma resolução que autoriza o adiamento para 2021 e 2022 de leilões de áreas para exploração de petróleo no Brasil em regime de concessão. A medida leva em conta as incertezas decorrentes da pandemia do novo coronavírus, de acordo com comunicado do Ministério de Minas e Energia.

A 17ª rodada de licitação de áreas da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) estava prevista para acontecer em novembro, enquanto a 18ª ocorreria em 2021.

Leia mais: Petrobras vende três plataformas por R$ 7,5 milhões em leilão

Em meio às incertezas geradas pela pandemia de coronavírus e à forte queda nos preços do petróleo no mercado internacional, a reguladora ANP havia determinado em abril a suspensão temporária da 17ª rodada, aguardando deliberação do CNPE.

O conselho que reúne autoridades para decisões sobre o setor de energia ainda aprovou resolução que estabelece metas compulsórias anuais de redução de emissões para o setor de comercialização de combustíveis no âmbito do programa de incentivo aos biocombustíveis RenovaBio.

"As metas estão definidas em unidades de Cbio (Crédito de Descarbonização) e consideraram os recentes impactos da pandemia de covid-19 no mercado de combustíveis no curto e no médio prazo. Consequentemente, as metas de redução de emissões do RenovaBio acompanharam esse movimento, bem como foram reduzidas as metas definidas para o ano de 2020", disse a pasta de Minas e Energia, sem entrar em detalhes e nem citar números sobre as metas.

Últimas