Economia Litoral paulista tem imóvel para o Carnaval a partir de R$ 250

Litoral paulista tem imóvel para o Carnaval a partir de R$ 250

Preço das casas e apartamento para temporada subiu em relação ao ano passado

O aluguel mais caro encontrado foi o de casas de quatro dormitórios em cidades do Litoral Norte como Ubatuba (foto)

O aluguel mais caro encontrado foi o de casas de quatro dormitórios em cidades do Litoral Norte como Ubatuba (foto)

Heitor Carvalho Jorge

Quem ainda não fez os planos para o Carnaval deste ano, ainda encontra imóveis para alugar no litoral paulista. Segundo o Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo), o custo médio diário de locação de apartamentos de um dormitório nas praias de cidades como Guarujá, Santos, São Vicente, Praia Grande, Peruíbe, Monguaguá e Itanhaém sai a partir de R$ 250.

Os apartamentos são pequenos, mas acomodam até quatro pessoas. Com isso, o custo diário por pessoa é de R$ 62,50.

O presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto, afirma que essa é uma opção para casais, solteiros e famílias pequenas que não querem ficar esses dias de Verão escaldante em casa, mas também não podem esbanjar.

Nas 12 cidades que o Creci pesquisou, consultando 34 imobiliárias credenciadas, o aluguel mais caro encontrado foi o de casas de quatro dormitórios em cidades do Litoral Norte como Ubatuba, São Sebastião, Ilhabela e Caraguatatuba.

Os proprietários pedem, em média, R$ 2.150 por dia de locação, valor que é 82,2% maior que os R$ 1.180 do Carnaval do ano passado.

Esse foi o maior aumento nos valores das diárias deste ano comparadas com as do ano passado. Dos 18 tipos de imóvel disponíveis para locação no Carnaval, 11 estão custando mais este ano. O Litoral Norte foi onde os aluguéis mais aumentaram – cinco dos sete tipos de imóveis disponíveis para alugar estão com valores maiores que em 2014.

Viana Neto diz que “o calor intenso deve fazer a procura pela locação no Litoral ser maior este ano” e aconselha a não deixar para a última hora. Ele também afirma que sempre é possível negociar os valores. No site do Creci (www.crecisp.org.br) estão disponíveis os contatos de imobiliárias e corretores credenciados que fazem locação no Litoral.

A pesquisa Creci apurou que os imóveis disponíveis para locação nas 12 cidades do Litoral podem ser alugados por períodos diferenciados, que vão de um dia a até dez dias. O número de pessoas admitido por imóvel varia de no máximo quatro a seis nas quitinetes e apartamentos ou casas de um dormitório a até 15 pessoas nos imóveis de três e quatro dormitórios.

Mais caro e mais barato

A pesquisa Creci-SP identificou no Litoral Norte maior número de aumentos dos valores do aluguel diário. Em comparação com o ano passado, a diária das casas de três dormitórios subiu 56,33% (de R$ 783,57 para R$ 1.225) e a dos apartamentos de dois dormitórios encareceu 48,58% (de R$ 353,33 para R$ 525).

As diárias dos apartamentos de três dormitórios estão custando 45% mais (de R$ 500 para R$ 725) e as das casas de dois dormitórios subiram 28,71% (de R$ 505 para R$ 650).

Quem procurar por casas de um dormitório, porém, pagará 2,7% a menos que no ano passado (de R$ 360 para R$ 350), redução que chega a 11,2% nos apartamentos de quatro dormitórios (de R$ 900 para R$ 800), apurou a pesquisa Creci-SP.

No Litoral Sul, de Praia Grande e Peruíbe, estão sendo ofertados por R$ 316 de diária, em média, apartamentos de dois dormitórios. Este valor é 44,5% menor que os R$ 570 que eram pedidos no Carnaval do ano passado e é também a maior redução de valor encontrada pela pesquisa Creci-SP na comparação de 2014 com 2015.

Nessa faixa do Litoral, tiveram queda significativa também as diárias de apartamentos de umdormitório – o valor médio baixou 37,5%, de R$ 400 para R$ 250. O imóvel mais caro em oferta nas praias do Sul é a casa de quatro dormitórios: a diária é de R$ 825, ou 17% a mais que os R$ 705 do Carnaval passado.

No Litoral Central, onde estão Guarujá e Santos, está 75% mais caro este ano o aluguel dos apartamentos de dois dormitórios (de R$ 400 para R$ 700) e 60% o dos apartamentos de um dormitório (de R$ 250 para R$ 400). As diárias das casas de um dormitório subiram 13,2%, de R$ 265 para R$ 300.

Em compensação, baixaram as diárias das casas de três dormitórios (-16,75%, de R$ 900 para R$ 750); de quatro dormitórios (- 10,7%, de R$ 1.500 para R$ 1.340); e as de dois dormitórios (- 9,7%, de R$ 626,67 para R$ 566).

Últimas