Lojistas de shoppings terão crédito com taxas de 0,35%, diz Alshop

Associação afirma que acertou com o governo de São Paulo criação de linha de crédito de R$ 500 milhões por meio do Desenvolve SP e Banco do Povo

A associação criou um canal de atendimento com lojistas

A associação criou um canal de atendimento com lojistas

Estadão Conteúdo

A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) informa que acertou com o governo de São Paulo a criação de uma linha de crédito de R$ 500 milhões com taxas de juros de 0,35% ao mês para socorrer o setor, que sofre com o impacto da pandemia do coronavírus. O crédito foi obtido junto ao governo paulista pelo Desenvolve SP e Banco do Povo.

Leia também: Trabalhador com jornada reduzida receberá seguro-desemprego

Em nota a entidade informa que também está pleiteando junto ao Governo Federal a liberação do Fundo de Amparo ao Trabalhador para que esse recurso banque os salários dos colaboradores nesse período de estabelecimentos em horário restrito ou fechado temporariamente.

Segundo o presidente da entidade, Nabil Sahyoun, as medidas de crédito especial são válidas para empresas paulistas "no entanto esse pleito junto ao governo federal de liberação do FAT irá beneficiar os lojistas de todo o País", complementa.

A Alshop anunciou mais cedo medidas de apoio aos varejistas que estão em dificuldade dado o cenário de restrição ao funcionamento do comércio, em especial dos centros de compra para barrar a expansão da pandemia da covid-19.

A associação criou um canal de atendimento, por exemplo, para orientar lojistas em dificuldade sobre como proceder para negociar taxas de locação e condomínio junto aos shoppings.

"Estamos empenhados em contato permanente com o governo estadual e federal no sentido de apoiar os mais de 40 mil lojistas que representamos para superar este período difícil", complementa.