Minha aposentadoria

Economia Mais da metade dos peritos retornou às agências do INSS 

Mais da metade dos peritos retornou às agências do INSS 

Foram realizadas, até às 16h, 4.169 perícias presenciais. Esses atendimentos ocorreram em 202 agências com perícia médica

  • Economia | Do R7

Movimentação em frente do posto do INSS no bairro da Lapa, em  São Paulo

Movimentação em frente do posto do INSS no bairro da Lapa, em São Paulo

RONALDO SILVA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Dos 762 peritos médicos federais que deveriam ter retornado ao atendimento presencial nas agências do INSS nesta quinta-feira (24), 477 compareceram aos seus postos de trabalho. A informação é da Secretaria Especial de Previdência e do Instituto Nacional do Seguro Social. 

Leia também: INSS vai ligar para segurado para remarcar atendimento nas agências

Foram realizadas, até às 16h, 4.169 perícias presenciais. Esses atendimentos ocorreram em 202 agências com Perícia Médica, de acordo com balanço da secretaria.

Nesta quinta-feira, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região suspendeu a liminar que possibilitava o não retorno dos médicos peritos às agências. Com isso, todos os profissionais devem retornar ao trabalho. O corte de ponto dos que não atenderam à convocação também foi autorizado.

A liminar acolhia ação da da ANMP (Associação Nacional dos Peritos Médicos Federais). A entidade questionava as medidas de segurança nas agências contra a covis-19. A ANMP afirmou nesta quinta que vai continuar a realizar as vistorias sanitárias nas agências abertas pelo INSS.

Vistoria

A secretaria e o INSS afirmam que as agências liberadas a funcionar foram vistoriadas e atendem aos protocolos de segurança contra a covid-19, tanto de adequação do espaço físico como dos equipamentos exigidos para a segurança no atendimento.

Desde a reabertura de parte das agências na segunda-feira passada (14), os peritos têm se recusado a retomar o trabalho, alegando falta de segurança nos consultórios. O impasse entre a categoria e o governo afeta quase 800 mil pessoas que necessitam do atendimento, muitas vezes com urgência.

Últimas