Mais de 1 milhão de contribuintes caíram na malha fina, diz Receita

Mais de 42% das pendência são referentes à omissão dos valores de rendimentos apresentados pelos contribuintes na declaração

Contribuintes na malha fina ainda podem corrigir erros

Contribuintes na malha fina ainda podem corrigir erros

Eduardo Valente/Framephoto/Estadão Conteúdo - 15.7.2019

Cerca de 1.015.918 contribuintes com o Imposto de Renda 2020 já processado pela Receita Federal tiveram suas declarações retidas pela malha fina, afirmou o Fisco nesta terça-feira (30), durante o balanço final sobre a entrega do documento.

O número de retenções corresponde a pouco mais de 3% do total de 30,9 milhões de declarações enviadas pela Receita até o final da tarde desta terça-feira (30).

De acordo com o auditor fiscal José Barroso Tostes Neto, a principal motivação que levou contribuintes à malha fina foi a omissão dos rendimentos, responsável por 42,2% das retenções. “Os contribuintes informaram em suas declarações valores menores do que aqueles que a Receita Federal realmente recebeu”, afirmou.

Leia mais: Receita recebeu 3.700 declarações por minuto nas últimas horas

Na sequência, com 33,3% dos casos, ele afirma que aparecem o conjunto de deduções. De despesas médicas sem comprovação. “São deduções que não têm limite e, por isso, há informações em valores muito elevados que precisam ser comprovados”, explicou Tostes.

O auditor orienta que os contribuintes na malha fina acessem o sistema da Receita Federal para verificar e corrigir as pendências apresentadas no documento. Para este ano, Tostes revela que os ajustes podem ser feitos sem a necessidade de comparecimento a uma unidade do Fisco.

“O contribuinte não precisa esperar receber nenhuma comunicação da Receita Federal para tomar uma iniciativa de corrigir esses pontos que geraram a retenção na malha. O serviço pode, a partir deste ano, possibilitar o envio dos documentos através do portal”, orientou ele. A correcão virtual pode ser feita pelo portal e-CAC.

Até o momento da apresentação, a Receita já havia recebido 30,9 milhões das 32 milhões de declarações esperadas. Entre os documentos já entregues, mais de 17,3 milhões foram transmitidos pelo modelo simplificado e outros 13,5 milhões pelo modelo simplificado.

De todas as declarações, 18,5 milhões tinham imposto a receber, 5,8 milhões apresentavam imposto a pagar e 6,6 milhões não tinham saldo de imposto a ser pago ou recebido. 

“O saldo maior de imposto a restituir tende para uma justiça fiscal que é cada vez mais o desejo da população brasileira”, avaliou o subsecretário-geral da Receita Federal, Décio Rui Pialarissi.

Arte/R7