Mais de 31 mi já fizeram cadastro para auxílio emergencial de R$ 600

Caixa afirma que 40% dos cadastrados optaram pela poupança social da instituição para receber os recursos

Caixa monitora pessoas que não têm direito ao auxílio

Caixa monitora pessoas que não têm direito ao auxílio

Cris Faga/Estadão Conteúdo

A Caixa Econômica Federal informou que 31,5 milhões de brasileiros concluíram cadastro para o auxílio emergencial de R$ 600 a ser pago durante a crise do novo coronavírus, conforme boletim do banco divulgado às 18h desta sexta-feira (10). Desses, 40,1% já optaram pela poupança social da instituição para receber os recursos. A expectativa da Caixa é criar 30 milhões de contas nesse formato.

Em um primeiro momento, os recursos depositados na poupança social da Caixa não poderão ser sacados uma vez que estarão disponíveis somente para transações digitais como transferências e pagamentos de contas, por exemplo. O governo ainda vai divulgar o calendário para a realização de saques.

Leia mais: Link falso para cadastro de auxílio de R$ 600 é enviado para 6,7 mi

A Caixa informa ainda que o site Auxílio Caixa 271,3 milhões de visitas. Foram enviados 126,7 milhões de mensagens por celular (SMS) para a confirmação do cadastro do auxílio emergencial.

A central 111, na qual os brasileiros podem tirar dúvidas e pedir informações, recebeu até o momento 7,6 milhões de ligações.

A diferença entre a quantidade de cadastros aceitos e o número de mensagens enviadas por celular para a confirmação dos mesmos sinaliza a quantidade de pessoas que não têm direito ao auxílio emergencial. Até agora, somam um total de 96 milhões de pessoas que tentaram se registrar para receber os recursos, mas tiveram o pedido negado.

Neste grupo, estão desde aqueles que não têm direito por que não estão no Cadastro Único do governo, fraude ou desinformação em relação aos critérios exigidos.

A Caixa está olhando "com lupa", segundo fontes, para pedidos de pessoas que não têm direito ao auxílio. Este trabalho está sendo feito ainda pela Dataprev, empresa de tecnologia ligada ao Ministério da Economia, com apoio ainda do Banco do Brasil.