Mesmo com alta, vendas online não cobrem perdas do varejo em SP

De acordo com a Fecomercio, crescimento de 15,6% no comércio digital não compensou queda provocada pelo fechamento de lojas durante isolamento

Fechamento de lojas provocou perdas no setor

Fechamento de lojas provocou perdas no setor

Leandro Ferreira/Fotoarena/Estadão Conteúdo

As vendas do comércio eletrônico em São Paulo tiveram alta de 15,6% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado, registrando um faturamento real de R$ 5,5 bilhões, de acordo com a FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado). Em nota, a instituição destaca, porém, que o comércio online representa apenas 3% do total de vendas do setor varejista no estado.

Neste cenário, mesmo com alta ainda maior da modalidade no segundo trimestre, as vendas por plataformas eletrônicas não serão suficientes para cobrir as perdas provocadas pelo fechamento de lojas em meio à pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o desempenho do varejo online foi melhor do que o do varejo físico, considerando o período entre o começo de janeiro e o fim de março.

Em São Paulo, a quarentena teve início no dia 24 de março. O levantamento feito pela FecomercioSP, portanto, leva em conta apenas 8 dias do período em que o varejo físico foi afetado pelo fechamento das lojas.

Apesar de ter registrado alta, o comércio online também foi atingido pela crise causada pela pandemia. A federação observou uma queda de 4,1% no valor do tíquete médio, isto é, a média do que é gasto com uma única compra online.

Isso indica, segundo a FecomercioSP, que as famílias paulistas tiveram redução na renda por conta do desemprego e da alta do endividamento, o que deve impactar o varejo digital.