Emprego

Economia Metade dos reajustes salariais de maio fica abaixo da inflação

Metade dos reajustes salariais de maio fica abaixo da inflação

Salariômetro aponta que reajuste mediano das remunerações no mês passado ficou 0,6 ponto percentual abaixo do INPC

Salário médio das negociações de maio é de R$ 1.410

Salário médio das negociações de maio é de R$ 1.410

Marcello Casal JrAgência Brasil - 30.04.2019

As negociações salariais firmadas no mês de maio trouxeram um peso insuficiente no bolso de boa parte dos profissionais brasileiros. De acordo com dados do Salariômetro divulgados nesta quarta-feira (22), mais da metade dos acordos (50,5%) trouxe reajustes abaixo da inflação e resultou em uma perda real aos trabalhadores.

Os dados apontam que o reajuste mediano nos salários em maio, mês com maior número de datas-bases, foi de 7%, percentual 0,6 ponto percentual abaixo da inflação acumulada pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) nos últimos 12 meses.

Leia mais: Quem não sacar o abono do PIS até dia 30, perde o dinheiro? Entenda

Os números confirmam a tendência observada pelo índice da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) desde junho do ano passado. No período, foram cinco perdas reais no ganho dos trabalhadores — quatro somente neste ano — e sete reajustes que apenas garantiram a reposição da inflação aos profissionais.

No mês passado, 20,8% dos acordos mantiveram o poder de compra ao garantir o repasse do INPC e outros 28,7% resultaram em um ganho real aos profissionais. No acumulado do ano, as reposições abaixo da inflação correspondem a 55% das negociações.

Como consequência das recentes movimentações, o piso médio salarial recebido pelos brasileiros figura em R$ 1.410, valor 5,46% maior do que o recebido no acumulado do ano e apenas 1,22% superior ao faturado nos últimos 12 meses.

A pesquisa sinaliza ainda para o crescimento do olhar para o longo prazo na mesa de negociação, indicado pela proporção de instrumentos com vigência acima de um ano. A movimentação foi observada em 18,5% dos acordos e 16,8% das negociações firmadas em maio.

Últimas