Movimento de supermercados cresce 8,5% no fim de semana

Segundo associações de supermercados, não há risco de falta de alimentos nas lojas e o setor opera com estoques normais

 Consumidores pesquisam preços em supermercado

Consumidores pesquisam preços em supermercado

BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O movimento nos supermercados de São Paulo teve um aumento de 8,5% no último fim de semana como efeito do temor ao coronavírus. A informação é da Apas (Associação Paulista de Supermercados), que comparou o movimento nos dias 13, 14 e 15 de março com o terceiro fim de semana de fevereiro deste ano, dias 14, 15 e 16.

Leia também: Venda em supermercado sobe 18,6% e turismo cai 28,5% por covid-19

Apesar disso, a entidade afirma que os estoques dos supermercados paulistas continuam normais. "Toda a cadeia de abastecimento (indústria e transportes) está operando com regularidade e o abastecimento está com fluxo normal", informou em nota.

Leia mais: Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

A Abras (Associação Brasileira de Supermercados) também afirma que tem monitorado as lojas do país e não foi identificado nenhum problema de desabastecimento, mas sim, de reposição, devido ao maior número de clientes em algumas lojas, no final de semana, em São Paulo.

Segundo a entidade, entre os produtos mais adquiridos nos últimos dias, estão: macarrão, molho de tomate, azeite, sal, bolacha, torrada, creme de leite, leite condensado, açúcar, achocolatado em pó, café, leite, água, suco, produtos de limpeza e higiene, com destaque para o papel higiênico, e álcool gel.

"Não há risco de falta de alimentos nas lojas. O setor supermercadista brasileiro opera com normalidade. Portanto, a população não precisa se preocupar, os supermercados estão preparados, inclusive, para aumentar o abastecimento, caso necessário, como já acontece em datas sazonais", informou a Abras em nota.