Novo Coronavírus

Economia 'Não há previsão de extensão do auxílio emergencial', diz secretário

'Não há previsão de extensão do auxílio emergencial', diz secretário

Ministério da Economia manteve previsão de gastos com o benefício em R$ 321,8 bilhões para 2020

  • Economia | Do R7

Auxílio foi o maior gasto para conter impacto da pandemia

Auxílio foi o maior gasto para conter impacto da pandemia

Adriana Toffetti/A7 Press/Estadão Conteúdo

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, reafirmou nesta sexta-feira (30) que "não há nenhuma previsão, no momento, para extensão do auxílio emergencial".

"Nossa prioridade é manter os gastos contínuos em 2020", disse Rodrigues. Segundo ele, as previsões de gastos com o benefício seguem R$ 321,8 bilhões, mesmo montante apresentado anteriormente pela pasta.

Conforme as projeções, o auxílio emergencial representa o maior gasto do governo entre as medidas para conter a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

Na sequência, aparece o BEm (Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda), que permitiu a suspensão de contratos de trabalho e redução de jornadas. De acordo com o ministério, a medida custou R$ 51,6 bilhões aos cofres públicos.

Últimas