Economia Não tem previsão de reajuste a servidores em 2022, diz secretário

Não tem previsão de reajuste a servidores em 2022, diz secretário

Mas com um "represamento" na demanda, há a previsão de ingresso de 41.700 vagas em concursos públicos

Agência Estado - Economia
O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal

O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal

Ministério da Economia

O secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, disse nesta terça-feira (31) que o PLOA (Projeto de Lei Orçamentária) de 2022 não tem previsão de reajuste salarial para os servidores públicos.

"O Orçamento já está muito apertado. Mas tendo algum tipo de mudança por conta do que está em discussão sobre o pagamento de precatórios, vão ser definidas as prioridades no Orçamento (com o novo espaço que seria aberto). Outras discussões serão feitas ao longo do processo orçamentário", afirmou.

Funchal lembrou que o governo Bolsonaro não realizou nenhum concurso nestes três primeiros anos. "Mas há a questão de necessidade, e estudos são feitos sempre pela Secretaria de Gestão. Temos a previsão de algum concurso", completou.

O secretário do Orçamento Federal, Ariosto Culau, admitiu que há um "represamento" na demanda de vários órgãos por concursos públicos.

Segundo ele, há a previsão de ingresso 41.700 vagas em concursos públicos. "Temos um volume grande para agências reguladores e para o Ministério da Educação. Não houve espaço no orçamento para reajustes, apenas recomposição da força de trabalho", acrescentou.

Últimas