Emprego

Economia Número de ocupados tem maior alta desde 2013 e supera 94,6 mi em 2019

Número de ocupados tem maior alta desde 2013 e supera 94,6 mi em 2019

Mesmo com o crescimento de 6% nos últimos sete anos, percentual de trabalhadores ativos segue abaixo do registrado em 2012, aponta IBGE

  • Economia | Alexandre Garcia, do R7

Mercado ganhou 1,1 milhão de profissionais formais

Mercado ganhou 1,1 milhão de profissionais formais

Adailton Damasceno/ Futura Press/ Estadão Conteúdo - 24.06.2020

A população ocupada do Brasil cresceu 2,5% em 2019 e superou a marca de 94,6 milhões de pessoas. Trata-se da maior alta no número de trabalhadores com mais de 14 anos desde 2013, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (26), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Apesar do crescimento, o percentual da população ocupada em território nacional ficou em 55,3%, valor 1,7 ponto percentual abaixo do registrado em 2012, quando a quantidade de trabalhadores era de 89,2 milhões. Isso ocorre porque a expansão de 6% do número de ocupados no período é inferior ao crescimento de quase 9% da população com mais de 14 anos.

Leia mais: Governo prorroga suspensão e redução de salário até dezembro

Os números da PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), apontam ainda para o aumento de 1,1 milhão de pessoas (3,3%) no número de profissionais com carteira assinada. O crescimento representa quase metade das 2,3 milhões novas presenças formais no mercado de trabalho.

O volume de empregados sem carteira assinada, por sua vez, cresceu a 12 milhões de pessoas. A trajetória de alta também foi acompanhada pelo volume de trabalhadores por conta própria, que somavam 24,4 milhões em 2019, número 4 milhões superior ao registrado há quatro anos. 

Leia também: Brasil tem mais de 6 mi de pessoas afastadas do trabalho

"De 2012 para 2019 a proporção de trabalhadores por conta própria passou de 22,8% para 25,8% e a de empregado no setor privado com carteira assinada baixou de 38,4% para 35,8%. Por outro lado, os empregados no setor público e os empregados no setor privado sem carteira assinada mantiveram a participação praticamente estável: de 12,3% para 12,3% e de 12,5% para 12,7%, respectivamente.", aponta o IBGE.

Na análise por setores, todos os pesquisados tiveram aumento de população ocupada. Com as variações, o segmento dos serviços agora ocupa mais da metade dos ocupados (51,7%) e é seguido por comércio (18,9%), indústria (12,9%), agronegócio (9,1%) e construção (7,2%).

Últimas