Número de planos de saúde cresce antes da pandemia de coronavírus

Instituto de Estudos de Saúde Suplementar avalia que os próximos meses do segmento são imprevisíveis com o avanço da pandemia no Brasil

Mais de 123 mil contrataram planos médico-hospitalares nos 12 meses finalizados em fevereiro

Mais de 123 mil contrataram planos médico-hospitalares nos 12 meses finalizados em fevereiro

Pixabay

Mais de 123 mil pessoas aderiram aos planos médico-hospitalares entre março de 2018 e fevereiro de 2019, mês que antecedeu a classificação da OMS (Organização Mundial de Saúde) de que o coronavírus é uma pandemia global.

“Fevereiro foi um mês positivo, com muitos brasileiros realizando o sonho de contar com um plano de saúde”, afirma o superintendente executivo do IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar), José Cechin.

Leia mais: SUS recebe da ANS repasse recorde de R$ 1,15 bilhão

De acordo com Cechin, os efeitos da pandemia de coronavírus tornam os próximos passos do setor imprevisíveis. "O isolamento social adotado corretamente para combater o contágio acelerado da Covid-19 ainda não se fazem presentes nestes dados e deixam uma interrogação sobre os números dos próximos meses", avalia ele.

"Tanto é possível que tenhamos um aumento de beneficiários, em busca de contar com a segurança do plano, quanto uma redução por conta das pessoas que perderão o emprego e renda e não terão condições de manter o benefício”, pondera o superintendente.

Na análise por regiões, o maior aumento de contratações da modalidade médico-hospitalar ocorreu em Minas Gerais, onde mais de 60 pessoas passaram a contar com este tipo de plano, alta de 1,2%.

Por outro lado, houve quedas registradas em 10 Estados, sendo os recuos mais expressivos anotados em Santa Catarina, que perdeu 29,3 mil beneficiários (-2%); e no Ceará, onde 23,9 mil vínculos foram rompidos (-1,9%).