Novo Coronavírus

Economia Onyx: Brasil precisa olhar para onda de fome, miséria e desemprego

Onyx: Brasil precisa olhar para onda de fome, miséria e desemprego

Para o ministro, "a busca de equilíbrio e racionalidade é fundamental no atual momento". Ele declarou apoio incondicional ao presidente Jair Bolsonaro

  • Economia | Do R7

Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

Marcello Casal Jr /Agência Brasil - 07.04.2020

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta terça-feira (14) que o Brasil precisa olhar para "a onda da fome, da miséria e do desemprego" que pode ser provocada pela pandemia do novo coronavírus. De acordo com o ministro o presidente Jair Bolsonaro se preocupa com o equilíbrio entre os cuidados com a saúde e as condições financeiras do país. 

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Para o ministro, "a busca do equilibrio e da racionalidade é fundamental no atual momento" e que "cada gestor sabe o quanto isso é complexo e difícil". Lorenzoni começou sua fala em entrevista coletiva dizendo que o Brasil de janeiro de 2019 estava sem confiança interna ou externa e que, com um ministerio técnico, com autonomia e independência, o governo federal recuperou o país, especialmente com a aprovação da reforma previdenciária. "O Brasil voltou a crescer e grar empregos e recuperamos a confinaça externa", afirmou. Como forma de demonstrar a preocupação econômica do governo, Lorenzoni citou o programa de auxílio emergencial realizado em parceria com a Caixa Econômica Federal e a DataPrev durante a pandemia. 

Leia também: Governador Wilson Witzel testa positivo para coronavírus

O ministro disse ainda que 4,3 mil cidades brasileiras estão longe de casos de coronavírus e sem atividade econômica. "Me sinto no dever de fazer um alerta. É chegada a hora de fazer uma reflexão sem paixão, apenas a paixão pelo povo brasileiro. É preciso garantir que tenhamos futuro, que não pode ser de miséria, de fome, de desemprego", afirmou, anunciando apoio incondicional ao presidente. 

Últimas