Economia Opep+ rejeita apelos dos EUA por aumento mais rápido na produção de petróleo

Opep+ rejeita apelos dos EUA por aumento mais rápido na produção de petróleo

COMMODS-OPEP-PRODUCAO:Opep+ rejeita apelos dos EUA por aumento mais rápido na produção de petróleo

Reuters - Economia

Por Alex Lawler e Ahmad Ghaddar e Olesya Astakhova

LONDRES (Reuters) - A Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados concordaram em reunião nesta quinta-feira em manter os planos de aumentar a produção de petróleo em 400 mil barris por dia (bpd) a partir de dezembro, apesar dos pedidos dos Estados Unidos por fornecimento extra para esfriar a alta dos preços.

A Arábia Saudita, grande produtor da Opep, já rejeitou os pedidos de aumentos mais rápidos no fornecimento de petróleo do grupo conhecido coletivamente como Opep+, citando adversidades econômicas.

Fontes da Opep+ disseram que os Estados Unidos têm capacidade suficiente para aumentar a produção se quiserem ajudar o mundo a acelerar a recuperação econômica.

Os preços do petróleo subiram em 2021 para uma máxima de três anos, acima de 86 dólares o barril, à medida que a demanda se recupera das restrições da contra a Covid-19 e a Opep+ aumenta gradualmente a oferta.

Os produtores, no entanto, estão preocupados em ir rápido demais com a ampliação de oferta, temendo novos reveses na batalha contra a pandemia.

O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, disse que desde agosto a Opep já adicionou 2 milhões de bpd ao fornecimento global e continuará com seu plano de adicionar mais 400 mil bpd a cada mês até o final de 2021 e nos primeiros meses de 2022.

"Há alguns sinais de diminuição da demanda de petróleo na União Europeia em outubro. A demanda global de petróleo ainda está sob pressão da variante Delta Covid", disse Novak, explicando por que a Opep+ optou por não adicionar mais barris.

O presidente dos EUA, Joe Biden, pediu no sábado que os principais países produtores de energia do G20 com capacidade ociosa aumentem a produção para garantir uma recuperação econômica global mais forte.

Últimas