Pademia faz 103 mil vendas feitas em junho serem emplacadas em julho, diz Anfavea

Pelo menos 103 mil veículos vendidos em junho só devem ser emplacados em julho, em razão de atrasos burocráticos decorrentes da pandemia do novo coronavírus, informou nesta segunda-feira, 6, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Além disso, foram emplacadas em junho cerca de 30 mil unidades vendidas em abril e maio.

Nesta segunda, a Anfavea divulgou os dados do mercado de junho. Os números confirmam os números divulgados na quinta-feira passada pela Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). O mercado emplacou 132,8 mil unidades, alta de 113,6% em junho ante maio, mas queda de 40,5% na comparação com maio. No acumulado do ano, o recuo é de 38,2%, para 809 mil unidades.

A Anfavea informou que os estoques de veículos nos pátios das montadoras e das concessionárias terminaram junho com 157,6 mil unidades, abaixo das 200,1 mil registradas no fim de maio. Ao considerar o ritmo do mercado em junho, o estoque é suficiente para 36 dias de venda. Um mês antes, dava para 45 dias.

Contudo, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, afirmou que não haveria essa queda no número de dias se a conta fosse feita com os emplacamentos que foram represados em razão dos atrasos burocráticos. Segundo ele, ao considerar esse represamento, os estoques seriam suficientes para 46 dias.