Para Anfavea, há políticos que ainda não perceberam gravidade da situação

Sem citar nomes, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes, afirmou nesta sexta-feira, 8, que há políticos que ainda não perceberam a gravidade da situação e as consequências da crise causada pela pandemia do novo coronavírus. "Os agentes políticos que deveriam estar trabalhando de forma coordenada estão prejudicando a economia", disse o executivo, em coletiva online que apresentou os dados do setor em abril.

"Eu fico trabalhando de home office, entro na internet e todo dia tem crise, além da crise de saúde. É crise de manhã, de tarde, no Ministério da Saúde, na Secretaria de Cultura, no Judiciário, no Executivo, no Legislativo. Eu queria dizer que parte dessa desvalorização cambial não é econômica, é política, é institucional", avaliou Moraes.

Participação de bancos

Com o aumento do risco causado pela crise do novo coronavírus, que deixou os bancos de varejo mais cautelosos, a participação dos bancos das montadoras nos financiamentos de veículos subiu de 45%, na média, para 60% em março, afirmou o presidente da Anfavea.

Moraes, que disse que os bancos das montadoras ajudam no escoamento da cadeia e no suporte à rede de concessionárias, aproveitou para rebater crítica que ouviu de um executivo de banco, que questionou, segundo ele, a necessidade dos bancos das montadoras. "Os bancos das montadoras estão lá quando faz sol e quando faz chuva, como instrumento para facilitar produção, ajudar concessionários com capital de giro e oferecer taxa mais baixa ao consumidor final", comentou.

Ele também lamentou a concentração dos bancos de varejo nos negócios no País. "Temos três ou quatro bancos que têm mais de 80% do volume de negócios e essa concentração não é boa para o país", disse.

Locadoras

O presidente da Anfavea afirmou que as montadoras não registraram nenhuma "grande compra" por parte das locadoras desde o início das medidas de isolamento social em vários Estados e cidades do Brasil.

"As locadoras vinham comprando veículos novos até março, mas, em função da situação, não tivemos mais nenhuma grande compra junto às montadoras, e isso pode continuar por mais tempo", disse ele.

Moraes afirmou que a demanda por locação caiu e falou que recebeu a informação de que cerca de 160 mil veículos foram devolvidos por motoristas de aplicativo.