Operação Lava Jato

Economia Petrobras é autorizada substituir nome do campo de Lula

Petrobras é autorizada substituir nome do campo de Lula

Adoção do nome de Lula foi contestado na Justiça em 2015 em ação popular, com o argumento de que sua escolha teve intenção política

  • Economia | Do R7

Campo responde por mais de 50% da produção nacional

Campo responde por mais de 50% da produção nacional

André Motta de Souza/Agência Petrobras

A Petrobras vai alterar o nome do campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos. A diretoria da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) autorizou a substituição para campo de Tupi. Descoberto em 2006, Lula hoje responde por mais da metade de toda produção interna de petróleo.

No pré-sal, a maior parte dos campos é batizado com nomes relacionados a moluscos, como Atapu, Berbigão, Búzios, Lapa, Sapinhoá, Sépia e Sururu.

A adoção do nome de Lula foi, no entanto, contestado na Justiça em 2015 em ação popular, com o argumento de que sua escolha teve intenção política, ao homenagear o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Leia mais: Ex-presidente Lula deve R$ 1,154 milhão para a União

No dia 2 de junho deste mês, o TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) informou que, como a estatal não recorreu, sua decisão pela mudança do nome foi definitiva. Agora, a companhia petrolífera deverá alterar toda referência ao nome "Lula" registrado até então.

Tupi, o novo nome do campo, foi o primeiro escolhido para a área antes da empresa informar à agência reguladora que o projeto é economicamente viável. Tradicionalmente, as áreas são rebatizadas quando é declarada a economicidade.

Últimas