Petrobras já garantiu recursos para enfrentar a crise, diz Moody's

Agência de classificação de risco aponta que a estatal ainda tem US$ 1 bilhão disponíveis e não precisará de financiamento externo

Petrobras cortou investimentos e adiou pagamento de dividendos

Petrobras cortou investimentos e adiou pagamento de dividendos

Fernando Frazão/Agência Brasil

A Petrobras já assegurou financiamentos suficientes para enfrentar a atual crise do coronavírus e não deverá enfrentar problemas de liquidez nos próximos trimestres, avaliaram analistas da Moody´s em relatório divulgado nesta segunda-feira (13).

A agência de classificação de risco destacou que a estatal brasileira anunciou recentemente medidas para lidar com o novo cenário de preços do petróleo decorrente da pandemia, que incluíram cortes de investimentos e adiamento do pagamento de dividendos a acionistas.

A Moody´s lembrou que a Petrobras solicitou a bancos em março o desembolso de US$ 8 bilhões de linhas de crédito compromissadas com vencimento em 2023 e 2024, além de ter captado US$ 3,25 bilhões em junho com títulos no exterior que expiram em 2031 e 2050. A companhia também levantou US$ 1,7 bilhão em novas linhas de crédito.

Leia mais; Mais de 10 mil já aderiram a planos de demissão da Petrobras

"Nós não esperamos que a Petrobras precise de financiamento externo adicional [a esses valores]", apontaram os analistas da Moody´s, que citaram ainda cortes de despesas anunciados pela empresa e o adiamento dos dividendos até o final de 2020.

Segundo eles, a Petrobras ainda tem US$ 1 bilhão disponíveis da linha de crédito sacada junto a bancos. Mas as métricas de crédito da empresa, relacionadas à geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), irão se deteriorar em 2020 antes de uma melhora esperada no ano seguinte, acrescentaram.

"A companhia não possui 'hedges' de petróleo (operações para proteção contra variação do preço) e seu fluxo de caixa de refino não irá compensar os preços mais baixos do petróleo, devido ao 'lockdown' associado à pandemia que reduz a demanda por combustíveis. Mas nós esperamos que a companhia siga vendendo ativos e gerando um fluxo de caixa positivo", apontaram.

Em geral, empresas de petróleo e gás da América Latina deverão cortar investimentos em cerca e US$ 8,3 bilhões em 2020, ou cerca de 30% do originalmente planejado, devido à volatilidade nos preços, segundo a avaliação da Moody´s.

Os preços do petróleo desabaram para mínima de 20 anos em meados de abril, após uma forte queda na demanda associada às medidas de isolamento adotadas para conter a pandemia de coronavírus pelo mundo e em meio a desentendimentos entre Arábia Saudita e Rússia sobre cortes na oferta para apoiar o mercado.

As cotações do petróleo mais que dobraram desde então, depois de um acordo entre Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), Rússia e outras nações para cortes recorde de produção, mas seguem abaixo dos níveis pré-pandemia.

A Petrobras anunciou no final de março um corte para US$ 8,5 bilhões nos investimentos previstos para 2020, ante US$ 12 bilhões previstos originalmente. A companhia também adiou para 15 de dezembro a distribuição de cerca de R$ 1,7 bilhão em dividendos, antes prevista para maio.