Economia Petrobras vai ao STF para suspender ação trabalhista de R$ 17 bilhões

Petrobras vai ao STF para suspender ação trabalhista de R$ 17 bilhões

Advogados da Petrobras dizem que imediato pagamento dos valores trará prejuízos financeiros irreversíveis para a estatal

Petrobras

Decisão do TST beneficia cerca de 50 mil funcionários

Decisão do TST beneficia cerca de 50 mil funcionários

Ueslei Marcelino/Reuters

A Petrobras recorreu nesta quinta-feira (26) ao STF (Supremo Tribunal Federal) para suspender a decisão da Justiça do Trabalho que garantiu aos funcionários da estatal o direito ao pagamento de adicionais salariais que foram definidos em um acordo coletivo assinado em 2007.

O impacto da decisão do TST (Tribunal Superior do Trabalho) nos cofres da Petrobras é de aproximadamente R$ 17 bilhões e beneficia cerca de 50 mil funcionários. A questão deverá afetar cerca de 7.000 processos que tratam do assunto em todo o país. Cabe recurso contra a decisão ao próprio tribunal e ao Supremo.

BNDES antecipa pagamento de dívida com União em 20 anos

Segundo os advogados contratados pela Petrobras, o imediato pagamento dos valores por meio de uma decisão que ainda cabe recurso trará prejuízos financeiros irreversíveis para a estatal. Além disso, a defesa alega que o entendimento do TST pode provocar “distorção remuneratória” na gestão da empresa.

“Autorizar-se-ia por intermédio de uma decisão ainda sujeita a recurso, a criação de uma distorção remuneratória na gestão da Petrobras, conquanto empregados de nível médio da área operacional, receberiam vencimentos superiores aos seus gestores, desconstruindo o atual Plano de Cargos e Salários e qualquer outro que venha a ser implantado, já que desestimula a política remuneratória baseada em meritocracia, desestruturando a Política de Recursos Humanos de qualquer empresa hierarquicamente organizada”, argumentaram os advogados.

Devido ao período de recesso de julho no STF, a questão será analisada pela presidência da Corte, que é ocupada, nesta semana, pelo ministro Dias Toffoli.

    Access log