Plano contra crise econômica da covid-19 começou em dezembro

Segundo secretário de política econômica, Guedes acionou equipe ainda em 2019 por medidas para o caso de haver expansão da epidemia 

Secretário de política econômica do ministerio da Economia, Adolfo Saschsida

Secretário de política econômica do ministerio da Economia, Adolfo Saschsida

Reprodução/ TV Brasil - 08.04.2020

A série de medidas econômicas tomadas pelo governo brasileiro para conter a crise decorrente da pandemia do novo coronavírus começou a ser desenhada em dezembro de 2019, conforme relato do secretário de política econômica do ministerio da economia, Adolfo Saschsida, nesta quarta-feira (8).

Saschsida afirmou que foi procurado no final de 2019 pelo ministro Paulo Guedes, preocupado com a epidemia registrada na China com dúvida sobre os efeitos que poderiam ser provocados em outros países. 

"Em 10 de março, a SPE apresentou ao ministro um conjunto inicial de medidas que somavam mais de R$ 80 bilhões, com impacto fiscal e R$ 13 bilhões. Guedes não ficou satisfeito e pediu medidas com mais impacto", relatou. Ele disse que anunciou de um pacote de medidas em 16 de março incluía medidas que começaram a ser estudadas ainda em dezembro. "O Brasil foi um dos países mais rápidos em anunciarem medidas nesta crise. Comparem como estava o estresse de saúde pública nos Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra quando esses países anunciaram suas medidas", acrescentou.

A fala de Sachsida foi feita em coletiva sobre a nova fase de liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A Medida Provisória publicada na noite de terça-feira vai permitir saques de R$ 1.045 por trabalhador.

A medida faz parte das ações adotadas para atenuar os efeitos econômicos do novo coronavírus no País e foi antecipada pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Os valores poderão ser retirados a partir de 15 de junho e ficarão disponíveis até 31 de dezembro.