PMI Composto sobe de 26,5 em abril para 28,1 em maio, diz IHS Markit

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) Composto do Brasil oscilou de 26,5 pontos em abril para 28,1 em maio, informou nesta quarta-feira, 3, a IHS Markit. Quando abaixo de 50 pontos, o PMI indica piora nas expectativas das empresas na comparação com o mês anterior.

O desempenho foi puxado por leves oscilações nos índices da indústria, de 36,0 em abril para 38,3 em maio, e dos serviços, de 27,4 para 27,6.

A IHS Markit observa que, no mês, o volume de novos negócios recebidos foi baixo e que as empresas continuaram a cortar empregos na maior taxa dos últimos quatro anos.

"O setor privado brasileiro permaneceu em profunda retração em maio, com o surto da covid-19 continuando a entravar gravemente a atividade econômica. As expectativas de uma recuperação rápida da pandemia começam a se evaporar, já que várias empresas relataram reduções das suas forças de trabalho como parte de tentativas mais abrangentes de controlar os custos e obter alguma proteção das margens de lucros", escreve, em nota, o diretor de Economia da IHS Markit, Paul Smith.

No PMI de Serviços, a empresa chama atenção para a retração na demanda, com queda recorde no volume de novos negócios e empregos.

A IHS Markit também observa que os entrevistados permaneceram pessimistas com relação ao futuro, embora com respostas menos negativas do que as registradas em abril.