Economia Postos de SP têm combustível apenas até sexta-feira (25)

Postos de SP têm combustível apenas até sexta-feira (25)

Segundo presidente do Sincopetro, nenhum posto paulista recebeu produtos das distribuidoras nesta quarta-feira; ontem, entregas foram parciais

Gasolina

Situação é mais crítica no Vale do Paraíba

Situação é mais crítica no Vale do Paraíba

Nilton Cardin/Estadão Conteúdo

O protesto de caminhoneiros que mantém fechadas rodovias por todo o país há três dias já começa a afetar a distribuição de gasolina, diesel e etanol nos postos de São Paulo.

Segundo o presidente do Sincopetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo), José Alberto de Paiva Gouveia, a última entrega normal ocorreu na segunda-feira (21).

"Na terça, muitos postos já não receberam e hoje ninguém recebeu nada. Os postos têm estoques que duram normalmente três dias. Se isso [protestos] não acabar rápido, a partir de amanhã alguns revendedores já não vão ter produto", afirmou Goiveia ao R7 nesta quarta-feira (23).

Ainda de acordo com o presidente do Sincopetro, a região mais crítica é o Vale do Paraíba, onde postos registraram longas filas de pessoas que temiam ficar sem combustível. No entanto, ele recomenda que não haja corrida para abastecer, sob risco de agravar a crise.

Questionado sobre o risco de alguns postos aumentarem o preço do combustível diante da escassez, Gouveia disse que a atitude é "inaceitável". "Quem fizer isso tem que ser denunciado, chame a polícia, o Procon", disse.

Um dos pontos de bloqueio nesta quarta-feira era justamente no Vale do Paraíba, na rodovia Presidente Dutra, principal ligação entre o Rio de Janeiro e São Paulo. 

Também foram registrados protestos de caminhoneiros em outras rodovias importantes, como a Régis Bittencourt, Fernão Dias e Anchieta.

Milhares de caminhoneiros fecharam rodovias desde segunda-feira em protesto contra o alto preço do diesel.

Protesto de caminhoneiros já deixa supermercados sem alimentos

    Access log