Economia Presidente do BB diz que nenhum município ficará sem assistência

Presidente do BB diz que nenhum município ficará sem assistência

"Temos dialogado com prefeitos e governadores para aprimorar o atendimento e a educação digital", disse André Brandão

  • Economia | Do R7, com informações da Agência Estado

André Brandão, presidente do Banco do Brasil

André Brandão, presidente do Banco do Brasil

Alan Santos/PR - 27.10.2020

O presidente do Banco do Brasil, André Brandão, afirmou nesta sexta-feira (12) que o banco não vai deixar nenhum município ou Estado desassistido após o anúncio, em janeiro, do plano de fechamento de agências no país.

"Temos dialogado com prefeitos e governadores para aprimorar o atendimento e a educação digital. Garantimos que nenhum município ficará desassistido" afirmou Brandão durante a coletiva de imprensa para comentar os resultados do banco.

Ele reconheceu que é "razoável" haver preocupações por parte do presidente da República, Jair Bolsonaro, de governadores e prefeitos. Segundo Brandão, houve um "problema de comunicação" e o banco aprendeu que deve haver uma melhora na conversa com o presidente da República.

"O principal ponto que posso ressaltar é que foi um problema de comunicação. Infelizmente, a forma como anunciamos o plano naquele dia, num fato relevante, que mencionava várias coisas, inclusive o fechamento de agências, é muito razoável não só o presidente, mas prefeitos e governadores, deputados e senadores, ficarem preocupados sobre como vamos fazer isso".

Brandão disse que ainda não conversou com o presidente Jair Bolsonaro desde o episódio, mas acredita que ele tenha entendido os objetivos do plano. "Eu pretendo, depois, com mais calma, explicar toda a agenda de eficiência, assim que a agenda dele permitir", disse.

Segundo Brandão, se antes houve falha na comunicação, agora a comunicação "está acontecendo". "Anunciamos um pouco antes porque tem um processo de trabalho, preparação, para que clientes regionais sentem com prefeitos, governadores. Tudo isso está acontecendo e hoje (sexta-feira) começa a primeira etapa em algumas localidades", afirmou.

No dia 11 de janeiro, o BB anunciou em fato relevante um plano de reestruturação do banco, que, entre outros pontos, envolve o fechamento de 112 agências e o corte de 5 mil funcionários por meio de programas de demissão voluntária.

À época, Bolsonaro não gostou do plano, após sofrer pressões de parlamentares, e considerou demitir Brandão. Contudo, o executivo e o plano foram mantidos.

Plano de reestruturação 

Nesta sexta, Brandão afirmou que a reorganização institucional não envolve somente o fechamento de agências, mas toda a infraestrutura física e reforçou que nenhum município brasileiro ficará desassistido. "Estamos em 4.883 municípios. Após o plano, estaremos presentes em 4.883 municípios", disse.

De acordo com o executivo, apesar do plano enxugar a rede de um lado, do outro, vai compensá-la com a abertura de outras estruturas. "De forma alguma, queremos desassistir nenhum cliente. Ao contrário, queremos mais clientes. Estamos crescendo", afirmou. "Temos 18,3 mil pontos. Após o plano, serão 18,4 mil. Serão 100 pontos adicionados."

O plano do BB prevê o fechamento de 360 pontos de atendimento, dos quais 112 são agências físicas.

"Qualquer município afetado e se por acaso tiver só uma agência só do BB, terá um correspondente bancário ou agência +BB antes de qualquer movimentação. Tudo será feito com diálogo com clientes, municípios e prefeitos locais", explicou.

A redução de estrutura, conforme Brandão, será contrabalanceada com a abertura de 430 correspondentes bancários. Além disso, o banco está abrindo 28 agências "leves e especializadas".

"Essas unidades têm capacidade de atuação mais forte que agência e a parte transacional se reduziu substancialmente. Com isso, conseguimos uma capacitação e atendimento mais forte", disse Brandão.

Últimas