Economia Presidente do BB tem desconforto em seguir no cargo, diz fonte

Presidente do BB tem desconforto em seguir no cargo, diz fonte

Depois de desentendimento com Bolsonaro e ameaça de demissão, André Brandão pode sair da presidência do Banco do Brasil

Reuters
Troca de presidente da Petrobras voltou a piorar situação no Banco do Brasil, diz fonte

Troca de presidente da Petrobras voltou a piorar situação no Banco do Brasil, diz fonte

Edilson Rodrigues/Agência Senado - 5.5.2015

O presidente-executivo do Banco do Brasil, André Brandão, manifestou a interlocutores desconforto em permanecer no cargo após desentendimento com o presidente Jair Bolsonaro, disse uma fonte com conhecimento do assunto.

O incômodo cresceu após Bolsonaro ter anunciado na semana passada a substituição do comando da Petrobras, disse a fonte nesta sexta-feira, sob condição de anonimato. No entanto, Brandão não pretende apresentar uma carta de renúncia, posição que o banco pode publicar ainda nesta sexta-feira, após o fechamento do mercado, acrescentou a pessoa.

No mês passado, Bolsonaro ameaçou demitir Brandão, após o BB anunciar um plano para economizar 2,7 bilhões de reais até 2025, incluindo o fechamento de 361 agências e cerca de 5 mil demissões voluntárias.

Nas últimas semanas, o banco emitiu comunicados negando que tivesse havido manifestação do governo federal de mudança na alta administração do BB, enquanto Brandão atribuiu a rusga pública a um problema de comunicação com Bolsonaro.

No entanto, a situação voltou a se complicar após Bolsonaro ter anunciado na sexta-feira passada a decisão de indicar o general Joaquim Silva e Luna para o lugar presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, após a companhia ter anunciado novo reajuste nos preços dos combustíveis.

Na posse de Luna, na véspera, Bolsonaro afirmou que todas as estatais precisam cumprir uma função social e é inadmissível um presidente de uma dessas companhias que não tenha essa compreensão.

A especulação sobre a saída iminente de Brandão e uma consequente ingerência do governo sobre o banco fazia a ação do BB tombar cerca de 5% na B3 às 17:40. Consultado, o BB afirmou que não comentaria o assunto.

Últimas