Economia Prestação mínima do Minha Casa Minha Vida vai aumentar em novos contratos

Prestação mínima do Minha Casa Minha Vida vai aumentar em novos contratos

Atualmente, a prestação mínima para os beneficiários da Faixa 1 do programa é de R$ 25

Prestação mínima do Minha Casa Minha Vida vai aumentar em novos contratos

Aumento na prestação vai passar a valer para os novos contratos assinados até fevereiro

Aumento na prestação vai passar a valer para os novos contratos assinados até fevereiro

Márcio Fernandes/22.10.2009/Estadão Conteúdo

A prestação mensal do financiamento para a faixa de renda mais baixa do Programa Minha Casa Minha Vida vai sofrer reajuste neste ano. O aumento na prestação vai passar a valer para os novos contratos do programa habitacional, que começarão a ser assinados até fevereiro.

Por e-mail, o Ministério das Cidades confirmou o reajuste nos novos contratos do programa para a prestação mínima. De acordo com a assessoria, no entanto, a nova mensalidade ainda não foi definida.

A prestação mínima atual para os beneficiários da Faixa 1 do programa é R$ 25.  O novo valor está sendo discutido pelo governo e deve ser anunciado antes do início das contratações da terceira fase do Minha Casa Minha Vida, no final deste mês ou no começo de fevereiro.

Leia mais sobre Economia e ajuste suas contas

Nível de contratações do Minha Casa Minha Vida é o mais baixo desde 2009

A Faixa 1 contempla famílias com renda mensal de até R$ 1.600 e concentra os beneficiários que mais recebem subsídios do governo para a aquisição da casa própria. No Minha Casa, Minha Vida 3, essa faixa passará a englobar famílias que ganham até R$ 1.800 por mês.

Na Faixa 1, cerca de 95% do valor do imóvel é financiado pelo governo e não há cobrança de juros. Os demais beneficiários do programa pagam as mensalidades seguindo as regras das taxas de juros de cada financiamento.

Em setembro do ano passado, o governo anunciou o reajuste dos juros cobrados no programa, que passarão a variar de 5% a 8%, segundo as novas regras. Também foi anunciada a criação de uma faixa intermediária de renda, para famílias que ganham entre R$ 1.600 e R$ 2.350 mensais.

Acompanhe todo o conteúdo da Rede Record no R7 Play

    Access log